Você pode ficar em uma perna por dez segundos?

Publicidade

A incapacidade de ficar em uma perna por 10 segundos entre os 50 e 60 anos está associada a quase o dobro do risco de morte por qualquer causa nos próximos dez anos. Isso fica claro em um estudo publicado no “British Journal of Sports Medicine”.

Ao contrário da capacidade aeróbica e da força e flexibilidade muscular, o equilíbrio tende a ser mantido razoavelmente bem até a sexta década de vida, quando começa a declinar de forma relativamente rápida, dizem os pesquisadores.

Publicidade

No entanto, a avaliação do equilíbrio não é rotineiramente incluída nos exames de saúde de homens e mulheres de meia-idade e idosos, possivelmente porque não há um teste padronizado para isso e há poucos dados robustos que o relacionem a diferentes desfechos clínicos. eles adicionam.

Diante dessa realidade, os pesquisadores queriam saber se um teste de equilíbrio poderia ser um indicador confiável do risco de uma pessoa morrer por qualquer causa na próxima década.

Os investigadores foram baseados em participantes do estudo de coorte de exercícios CLINIMEX. Isso foi estabelecido em 1994 para avaliar associações entre várias medidas de aptidão física, variáveis ​​relacionadas ao exercício e fatores de risco cardiovascular convencionais com problemas de saúde e, finalmente, morte.

A análise atual incluiu 1.702 participantes com idades entre 51 e 75 anos (média de 61 anos) em seu primeiro check-up, entre fevereiro de 2009 e dezembro de 2020. Cerca de dois terços dos participantes (68%) eram homens.

O peso dos indivíduos e várias medidas de dobras cutâneas foram medidos, bem como o tamanho da cintura. Detalhes do histórico médico também foram fornecidos. Apenas aqueles com marcha estável foram incluídos no estudo.

Publicidade

Como parte do check-up, os participantes foram solicitados a ficar em uma perna por 10 segundos sem qualquer apoio adicional.

Para melhorar a padronização do teste, os participantes foram solicitados a colocar o antepé do pé livre na parte posterior da perna oposta, mantendo os braços ao lado do corpo e olhando para a frente. Até três tentativas com qualquer pé foram permitidas.

Publicidade

Ao todo, cerca de um em cada cinco participantes falhou no teste. A incapacidade de fazê-lo aumentou com a idade, mais ou menos dobrando em intervalos subsequentes de cinco anos, dos 51 aos 55 anos em diante.

As proporções que não conseguiam ficar em uma perna por 10 segundos foram: quase 5% entre 51 e 55 anos; 8% entre 56-60 anos; pouco menos de 18% entre os 61 a 65 anos e pouco menos de 37% entre os 66 a 70 anos.

Mais da metade (cerca de 54%) das pessoas de 71 a 75 anos não conseguiram concluir o teste. Em outras palavras, as pessoas nessa faixa etária tinham mais de 11 vezes mais chances de falhar no teste do que as 20 anos mais jovens.

Durante um período médio de acompanhamento de sete anos, 123 (7%) pessoas morreram: câncer (32%); doença cardiovascular (30%); doença respiratória (9%); e complicações da Covid-19 (7%).

Não houve tendências temporais claras nas mortes, ou diferenças nas causas, entre aqueles que conseguiram completar o teste e aqueles que não conseguiram.

Mas a proporção de óbitos entre os que falharam no teste foi significativamente maior: 17,5% contra 4,5%, refletindo uma diferença absoluta de pouco menos de 13%.

Em geral, aqueles que falharam no teste estavam em pior estado de saúde: uma proporção maior era obesa e/ou tinha doença cardíaca, pressão alta e perfil lipídico não saudável.

Além disso, o diabetes tipo 2 foi três vezes mais comum neste grupo: 38% vs. 13%.

Depois de contabilizar idade, sexo e condições subjacentes, a incapacidade de ficar em uma perna por 10 segundos foi associada a um risco elevado de 84% de morte por qualquer causa na próxima década.

Apesar dos dados impressionantes, é um estudo observacional e, como tal, não pode estabelecer a causa. Como os participantes eram todos brasileiros brancos, as descobertas podem não ser aplicáveis ​​a outras etnias e nacionalidades, observam os pesquisadores.

Informações sobre fatores potencialmente influentes, incluindo história recente de quedas, níveis de atividade física, dieta, tabagismo e uso de medicamentos que podem interferir no equilíbrio, não estavam disponíveis.

No entanto, os pesquisadores concluíram que o teste de equilíbrio de 10 segundos “fornece um feedback rápido e objetivo ao paciente e aos profissionais de saúde em relação ao equilíbrio estático” e que o teste “adiciona informações úteis sobre o risco de mortalidade”. mulheres.

Você pode gostar...

Artigos populares...