«A radioterapia nos tumores da mama está a sofrer uma verdadeira revolução»

Publicidade

1. A radioterapia para tratar o câncer de mama é complementar à cirurgia ou a outros tratamentos?

A radioterapia é essencial dentro do arsenal terapêutico disponível para tratar o câncer, mas talvez seja no câncer de mama um dos mais importantes. Isso porque tem papel definido em todas as fases da doença, impactando positivamente tanto no controle local quanto na sobrevida do paciente. O manejo desse câncer deve ser sempre abordado de forma multidisciplinar. Combinam-se e complementam-se cirurgia, radioterapia e tratamentos sistémicos, decidindo-se o protocolo a aplicar com base nas características do tumor e de cada paciente.

Publicidade

2. Como evoluiu nos últimos anos?

A radioterapia no cancro da mama é utilizada há mais de 100 anos, mas foi nas últimas duas décadas que assistimos a uma verdadeira revolução. Por um lado, os avanços tecnológicos nos permitiram ser mais precisos e menos nocivos. Por outro lado, os avanços no campo da radiobiologia nos proporcionaram um maior conhecimento sobre o comportamento de tumores e órgãos sadios diante da radiação. Por último, e como consequência direta do anterior, a introdução dos esquemas hipofraccionados e da radioterapia parcial acelerada permitiram reduzir os tratamentos das 25-30 sessões clássicas para 15 ou mesmo 5, mantendo a mesma probabilidade de cura, com efeitos mínimos. secundário e com maior conforto para os pacientes.

3. Em quais casos é indicado?

Devemos considerar dois cenários diferenciados. Quando a doença está localizada na mama ou nos gânglios linfáticos, a radioterapia é sempre indicada após a cirurgia conservadora, na qual o tumor é retirado com margem de segurança preservando o restante do tecido mamário. Também é aplicado em um número significativo de casos após uma mastectomia, dependendo dos achados após a cirurgia, como o tamanho do tumor ou o grau de envolvimento dos gânglios linfáticos regionais. Também é importante aumentar a conscientização sobre seu papel na doença disseminada ou metastática. Com técnicas como a radioterapia estereotáxica corporal, consegue-se um excelente controle local das lesões com aumento significativo do intervalo livre de progressão. E em um grande número de pacientes, a radioterapia proporciona alívio significativo de sintomas que podem afetar sua qualidade de vida, como dor no caso de metástases ósseas ou sintomas neurológicos no caso de metástases cerebrais ou vertebrais com envolvimento da medula espinhal.

Publicidade

4. Em quais casos é descartado desde o início?

Em geral, em tumores pequenos, sem acometimento axilar tratados com mastectomia ou em alguns casos altamente selecionados de pacientes tratadas com quimioterapia pré-operatória com remissão completa da doença e em que a mama é retirada. Também poderia ser evitada em algumas mulheres muito idosas, com tumores de bom prognóstico e operadas conservadoramente.

Publicidade

5. Tem efeitos colaterais?

No momento, os efeitos colaterais são em sua maioria leves e transitórios. Durante o tratamento e nas semanas seguintes podemos identificar cansaço, vermelhidão da pele na área tratada, sensação de peso na mama e hipersensibilidade no mamilo.

6. E a médio e longo prazo?

A médio e longo prazo, podemos encontrar casos de algum endurecimento e hiperpigmentação. Nesse sentido, tanto a nossa experiência como os resultados dos ensaios clínicos mostram que a radioterapia mamária não piora significativamente a qualidade de vida das pacientes a longo prazo.

7. Como funciona?

Ele usa radiação ionizante de alta energia para matar células tumorais na parte do corpo onde é administrado. No caso do câncer de mama, irradiam-se tecidos onde pode haver doença microscópica não removida por cirurgia e que deve ser erradicada para reduzir o risco de recidiva.

8. Que porcentagens de sucesso você está considerando?

Observa-se um aumento progressivo da sobrevida dos pacientes graças aos avanços em todas e cada uma das especialidades médicas envolvidas. Em relação aos nossos resultados particulares para tumores localizados ao diagnóstico e tratados com cirurgia conservadora e radioterapia pós-operatória, a sobrevida é superior a 95%.

9. O que é radioterapia de intensidade modulada (IMRT)?

Engloba um conjunto de técnicas que nos permitem administrá-lo de forma muito precisa e homogénea, protegendo ao máximo os órgãos saudáveis ​​circundantes. Geralmente está vinculado a sistemas de verificação de imagem que nos permitem controlar o tratamento em tempo real e garantir que seja realizado conforme planejado.

10. De fato, no final de outubro, um estudo sobre os resultados desse tratamento foi apresentado no Congresso da American Society of Radiation Oncology (ASTRO) realizado em San Antonio, Texas. Quais conclusões foram obtidas?

De fato, pudemos confirmar que os resultados oncológicos a longo prazo são excelentes, com baixa probabilidade de efeitos colaterais agudos e crônicos, confirmando a eficácia e segurança desse protocolo de tratamento.

Você pode gostar...

Artigos populares...