Promover pesquisas, vitais para a cura do câncer

Publicidade

Sentar diante de um paciente com câncer que não respondeu a nenhum tratamento e explicar que não há mais nada a fazer é devastador para o médico. «Para uma pessoa ir para casa pensando que vai morrer é muito difícil. E não poder oferecer mais nada é frustrante, por isso pesquiso”, diz Noelia Tarazona, oncologista do Hospital Clínico de Valencia e pesquisadora Joan Rodés do Grupo de Pesquisa Incliva Câncer Colorretal e Novos Desenvolvimentos Terapêuticos em Tumores Sólidos.

Publicidade

Tarazona desenvolve um projeto para tentar recuperar a perda da expressão do gene CDX2, que está associada à recidiva da doença e a um prognóstico ruim. O médico atende pacientes em consulta e depois investiga as amostras de seus tumores no laboratório, no prédio localizado em frente ao hospital. Ele o faz em colaboração com biólogos e médicos de outras especialidades, até mesmo de outros centros, porque “sozinho não avança”, ressalta. “Seja qual for a doença, as células são muito mais inteligentes do que todos nós. O conhecimento unido é o que nos permite estar progredindo”, explica. No momento, há alguns meses, apresentou resultados promissores no Congresso da Sociedade Europeia de Oncologia Médica (ESMO).

Pedir ajuda

Este oncologista valenciano aceitou o financiamento para realizar este projeto através da chamada de Bolsas de Pesquisa em Saúde da Fundação Mutua Madrileña, que concede dois milhões de euros por ano para lançar projetos de pesquisa em diferentes especialidades, incluindo oncologia.

Publicidade

Dada a amplitude e complexidade da especialidade, a comissão científica da fundação, presidida pelo Dr. Rafael Matesanz, seleciona um tipo de tumor em cada chamada. Em 2020, quando a Dra. Tarazona recebeu sua ajuda, ela se dedicou ao colorretal; em 2021, a do pâncreas; em 2022, ao pulmão, e em 2023, na vigésima chamada ininterrupta destas ajudas, que será lançada no próximo mês de fevereiro, será premiada a imunoterapia.

Publicidade

Prestes a comemorar seu 20º aniversário – o aniversário será comemorado em 2023 – de ajuda ininterrupta, a Fundação Mutua Madrileña mantém seu compromisso de “apoiar a pesquisa médica e aumentar seu compromisso social”, lembra seu presidente e o grupo segurador, Ignacio Garralda. “Ainda há muito espaço para pensar, colaborar, pesquisar e descobrir…” para encontrar medicamentos que tragam algum benefício aos pacientes, conclui Tarazona.

Resultados esperançosos

Nos últimos anos, algumas das pesquisas financiadas no campo da oncologia alcançaram resultados animadores na identificação de alvos terapêuticos para atacar determinados subtipos ou mecanismos tumorais e moléculas candidatas para bloqueá-los ou ativá-los. Por exemplo, em 2016, a Dra. Houria Boulaiz recebeu uma bolsa para investigar uma molécula candidata contra o câncer ginecológico. Além de ser professora da Universidade de Granada e membro do grupo de pesquisa “Terapias Avançadas: Diferenciação, Regeneração e Câncer”, ela também pertence ao Instituto de Pesquisas Biossanitárias de Granada (IBS Granada) e à Unidade de Excelência “ModelingNature : do nano ao macro» da UGR.

Com a ajuda da Fundação Mutua Madrileña, conseguiu desenvolver um sistema de terapia gênica para o câncer capaz de deter a proliferação de células de diferentes tipos de tumores, como colorretal, cervical e de mama, tanto in vitro quanto em vivo, detendo sua crescimento. O sistema, baseado na toxina LdrB, foi patenteado e descrito na revista científica “Cancers”.

Os projetos financiados pela Fundación Mutua costumam estar fora do circuito dos projetos assumidos pela indústria farmacêutica, seja porque estão em seus estágios iniciais, seja porque tratam de temas que não envolvem moléculas, como a cirurgia, ou porque são mais experimentais , em qualquer caso, essencial.

Assim, outro exemplo recente de sucesso é o projeto da Dra. Marina Paradela, do Instituto de Pesquisas Biomédicas da Corunha e cirurgiã torácica do Centro Hospitalar Universitário da Corunha (Chuac). Sua pesquisa visa aprofundar o conhecimento das melhores técnicas cirúrgicas para retirar um tipo de tumor pulmonar.

O estudo também é colaborativo entre hospitais em várias comunidades autônomas espanholas; por um lado, conseguir uma amostra suficientemente grande para que os resultados sejam relevantes e, por outro, “evitar que a variável ‘cirurgião’ seja um fator de confusão”, explicou o médico.

Você pode gostar...

Artigos populares...