“As epidemias são o preço que pagamos pela nossa irresponsabilidade”

Publicidade

Pronuncie o nome de Philippe J. Sansonetti é sinônimo de dizer “Mestre em Microbiologia”. Professor e diretor da Unidade de Patogênese Molecular Microbiana do prestigioso Instituto Pasteur, Sansonetti pode se orgulhar de ter uma brilhante carreira profissional de mais de quatro décadas, embora em curtas distâncias tanto seu caráter afável quanto sua humildade o fascinem. A partir desta semana, acrescenta ao seu extenso currículo o reconhecimento da segunda edição do “Prêmio Abarca”, o Prêmio Internacional Doutor Juan Abarca de Ciências Médicas.

A primeira coisa é parabenizá-lo por este prêmio. O que isso significa para você?

Publicidade

É muito emocionante a nível pessoal, enquanto a nível profissional implica a confirmação de que caminhamos para algo importante e transcendente. Fico feliz em pensar que o valor da Ciência é reconhecido, porque isso pode estimular os mais novos a iniciarem este caminho.

Uma de suas grandes façanhas foi analisar as bases moleculares pelas quais os patógenos infectam as células e daí nasceu sua pesquisa sobre a patogênese da bactéria Shigella. Como seu trabalho mudou a vida nos países em desenvolvimento?

Conhecer o mecanismo da doença é um passo muito importante, pois assim será mais fácil aplicar a prevenção por meio de medidas de higiene. Talvez isso possa impactar nas políticas públicas, mas o mais interessante são os tratamentos, potencialmente uma vacina contra a shigelose. É o que realmente mudaria tudo. O Instituto Pasteur conta com o apoio de algumas fundações que auxiliam neste projeto e esperamos que possa se tornar realidade em dois ou três anos.

Com a pandemia, vimos que marcos como o desenvolvimento de uma vacina podem ser alcançados em nove meses. É impossível repetir algo assim?

Odeio dizer isso, mas o que nos falta é segurança financeira, ou seja, que cada uma das etapas de todo o projeto de desenvolvimento da vacina tenha garantias. Existe um desfasamento entre as primeiras fases de desenvolvimento e muitas obras estão paradas, por muito boas que sejam, por falta de investimento económico por não receberem o financiamento necessário. Se acrescentarmos também que é uma doença que não atinge toda a população, mas países desfavorecidos, já temos o coquetel explosivo. Que mais vacinas não sejam desenvolvidas não é culpa da Ciência, porque a capacidade científica foi demonstrada. Eu acho que onde está o problema no financiamento.

Publicidade

No Ocidente, ainda não temos responsabilidade com os países mais desfavorecidos?

Sim. A coisa inteligente a fazer seria ajudá-los a desenvolver sua própria capacidade de projetar vacinas em vez de produzi-las daqui. Isso já foi conseguido na Ásia ou na Índia e agora seria a vez da África.

Publicidade

Embora seja uma bactéria comum em países com poucos recursos, não somos estranhos à Shigella…

Claro, não estamos imunes. A única razão pela qual não temos shigelose na Europa é por causa de nossas medidas de higiene, mas se um dia encontrarmos essa bactéria, com certeza vamos ficar doentes.

Nesta luta contra as bactérias estamos cruzando uma linha vermelha muito perigosa com a resistência aos antibióticos. Criamos um monstro?

Sim. A verdade é que a resistência aos antibióticos é um problema emergente porque eles estão sendo usados ​​desnecessariamente e indiscriminadamente em muitas partes do mundo: na pecuária, na agricultura, na indústria pesqueira… Tudo isso faz com que os micróbios sejam resistentes. Estamos cada vez mais perto de viver em um mundo onde os antibióticos não funcionam. É uma realidade iminente e um perigo real.

Depois de passar por uma pandemia global, todos os cientistas concordam que essas crises de saúde se tornarão cada vez mais comuns. Que riscos nos esperam?

Infelizmente, não precisamos de uma bola de cristal, porque já é óbvio que esses tipos de pandemias e problemas de saúde globais vão se tornar cada vez mais comuns. Antes deles, as pessoas mais debilitadas, como idosos, com patologias de base, obesidade, etc. Vimos que eles são os mais vulneráveis ​​e o que deve ser feito é adequar o sistema de saúde a essa população para protegê-la. Herdamos sistemas de saúde muito bons, mas eles certamente entrarão em colapso com essa população envelhecida e mais frágil.

E de que forma chegará a próxima pandemia?

A resistência aos antibióticos, por um lado, e as doenças emergentes, por outro, são o maior problema que enfrentamos, embora eu concorde com a Organização Mundial de Saúde que os maiores riscos a que estamos expostos são as doenças infecciosas. E sua ascensão nada mais é do que o preço que estamos pagando pela irresponsabilidade de todas as nossas ações como humanos. Não quero que ninguém se sinta culpado, mas se nós criamos o problema, a solução também está em nossas mãos.

E estamos mais preparados para lidar com isso depois das lições aprendidas com a Covid-19?

Quero ser otimista e, portanto, a resposta curta seria sim. Acho que todos os países estão cientes do risco real que existe. A ciência está fazendo bem o seu trabalho, colocando soluções efetivas na mesa, mas agora a outra parte, que são os governos e as administrações, deve fazer o seu trabalho.

Qual é o maior erro cometido em 2020?

Demoramos muito para perceber que a via de transmissão do SARS-CoV-2 era pelo ar. Se tivéssemos sido mais ágeis em colocar medidas para contê-lo, milhões de mortes teriam sido evitadas. Acho que as autoridades e os governos da Europa o tornaram fatal.

Você pode gostar...

Artigos populares...