“Existem drogas que curam o câncer de pele mesmo que haja metástases”

Publicidade

Esta semana organizaram a conferência “Avanços científicos no cancro da pele: desafios, controvérsias e oportunidades”. Os jovens receberam a mensagem de como é importante se proteger do sol o ano todo ou essa mensagem não chega até que seja tarde demais?

Mais e mais pessoas estão se fotoprotegendo. Hoje não é mais tão elegante ser marrom. E os jovens entenderam a mensagem em sua maior parte. Embora ainda existam pessoas que vêm à consulta por queimaduras solares significativas. Mas eles são os menos.

Publicidade

Sempre que falamos de câncer de pele, geralmente falamos do melanoma, que é o mais agressivo, mas o menos frequente. Mas quantos tipos de câncer de pele existem?

Basicamente, existe o câncer de pele melanoma, que é mais agressivo, e o câncer de pele não melanoma ou epitelioma, que é mais comum, mas bem menos letal.

E dentro dos epiteliomas, qual é o mais comum?

O mais comum é o epitelioma basocelular. O câncer de pele é o câncer mais comum que existe no corpo humano. Na verdade, metade dos cânceres diagnosticados no mundo são cânceres de pele.

Publicidade

E a que mais mata?

O que produz maior mortalidade é o epitelioma de células escamosas. Embora seja menos agressivo que o melanoma, sendo muito mais comum, é o câncer de pele que mais causa mortes.

Publicidade

Com que idade o câncer de pele costuma ser diagnosticado?

O melanoma geralmente aparece em pessoas jovens, entre 20 e 40 anos. E os epiteliomas geralmente aparecem após os 40 anos. O sol é a causa de quase 90% dos cânceres de pele. A boa notícia é que, se diagnosticado precocemente, mais de 99% dos cânceres de pele podem ser curados.

Que tratamentos existem além da cirurgia?

Existem novos medicamentos muito interessantes que conseguem curar o câncer de pele, mesmo que tenham produzido metástases. Além disso, os cânceres de pele podem ser tratados com radioterapia e até mesmo a terapia fotodinâmica, que é uma técnica que consegue remover o câncer de pele sem cirurgia. As ferramentas disponíveis para a dermatologia moderna para diagnosticar e tratar o câncer de pele aumentaram enormemente nos últimos 10 anos.

Qual é o papel da imunoterapia contra o câncer de pele e o que ela desempenhará a curto prazo?

O sistema imunológico desempenha um papel fundamental no controle dos cânceres de pele. É por isso que em pessoas com baixas defesas, o câncer de pele é muito mais frequente. E em muitos casos, se conseguirmos estimular as defesas do paciente, conseguimos controlar muitos cânceres de pele.

Em quais casos é realmente necessário operar?

Utilizamos a cirurgia principalmente nos casos em que todo o tumor pode ser totalmente removido, ou seja, em cânceres localizados e bem definidos. Hoje, a cirurgia, especialmente a cirurgia controlada microscopicamente ou a cirurgia de Mohs, tornou-se o melhor tratamento para o câncer de pele, pois remove todo o tumor e nada além do tumor.

Quantas vezes você tem que ir para verificar a sua pele?

O ideal é fazer o mesmo que as mulheres fazem com o ginecologista; vá ao dermatologista uma vez por ano para avaliar sua pele, unhas e cabelos, ou seja, fazer um “skin check”.

Que controvérsias existem em relação ao câncer de pele?

As controvérsias existentes em relação ao câncer de pele foram discutidas no encontro. Por exemplo, os dermatologistas propõem limitar a exposição ao sol, que está causando uma deficiência de vitamina D na população que deve ser tratada adequadamente. Os cremes de proteção solar também têm seus riscos potenciais: a absorção pela pele de seus componentes e sua presença comprovada na corrente sanguínea é uma área que vale a pena estudar com mais profundidade. Por fim, dizer que os novos tratamentos para o câncer de pele disseminado são realmente eficazes, mas têm um custo muito alto, por isso não se sabe se o sistema é capaz de fornecer esses novos medicamentos a toda a população com essa patologia.

Você pode gostar...

Artigos populares...