«Cardiosalud», uma epidemia silenciosa

Publicidade

Na última terça-feira, foi apresentado na sede do Conselho Geral dos Colégios Oficiais de Médicos (CGCOM) um recurso para A saúde cardiovascular é uma prioridade política durante a presidência espanhola da União Europeia. Esta declaração foi endossada pela Federação das Associações Científico-Médicas Espanholas (FACME), a Sociedade Espanhola de Cardiologia (SEC), a Fundação Espanhola do Coração (FEC), a CardioAlianza, a Sociedade Espanhola de Cirurgia Cardiovascular e Endovascular (SECCE), a Fundação Cirugía y Corazón e EU Structural Heart Disease Coalition.

Publicidade

A preocupação que nós médicos temos com a má implementação de programas de prevenção de doenças cardiovasculares tem sido o motor desta iniciativa. Apesar de todas as propostas que se tentou promover nos últimos anos – desde sociedades científicas e CGCOM–, sua materialização e execução continuam sendo insuficientes.

A saúde cardiovascular é uma das principais preocupações da comunidade médica e científica global. Na Europa, a obesidade infantil e o sedentarismo são dois dos principais fatores que contribuem para o aumento de doenças desta natureza.

A Espanha é um dos países europeus com maior incidência. Atualmente, as doenças cardiovasculares afetam cerca de 10% da população espanhola e constituem a principal causa de morte e internação em nosso país.. Os números são tão alarmantes quanto reveladores: a cada 4 minutos uma pessoa morre em nosso país por doença cardiovascular, o que se traduz em cerca de 120.000 mortes e 580.000 internações hospitalares por ano. As doenças cardiovasculares, sem serem particularmente mediáticas, Eles matam 70 vezes mais pessoas do que acidentes de trânsito.

Publicidade

Causa de 40% das mortes na UE

Falamos de epidemia silenciosa porque não são patologias facilmente detectáveis ​​desde o início. Estão inexoravelmente ligados aos hábitos de vida de uma população que continua a carecer de uma efetiva sensibilização. Na UE, os dados são igualmente preocupantes: Essas doenças são a causa de quase 40% das mortes: mais de 2 milhões de pessoas por ano. A obesidade infantil, o tabagismo, a hipertensão, o diabetes não tratado e o sedentarismo fazem com que esses números apresentem, há anos, uma tendência inédita e crescente.

Publicidade

A obesidade infantil é um tipo de desnutrição que afeta cada vez mais meninos e meninas em todo o mundo. Na Europa, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o percentual de crianças com sobrepeso ou obesidade gira em torno de 25%. Em nosso país, esse percentual é um pouco menor, embora assumindo uma incidência alarmante. A obesidade infantil é um fator de risco para doenças cardiovasculares, como pressão alta, diabetes tipo 2 ou aumento do colesterol no sangue.

Além disso, há uma distorção significativa na percepção do excesso de peso em crianças e adolescentes. 22,5% dos meninos e meninas espanhóis entre 5 e 19 anos estão com sobrepeso ou obesidade, embora não tenham consciência disso em seu ambiente familiar. O sedentarismo dos nossos jovens é subestimado sob uma falsa perceção de dinamismo e elevados níveis de atividade física e desportiva que, por natureza, deveriam apresentar nestas idades. No entanto, estamos perante uma juventude que passa cada vez mais tempo de lazer sentado em frente aos ecrãs, substituindo a vida presencial pela vida virtual, nas redes sociais e nos videojogos, ambos altamente viciantes. O custo de oportunidade de escolher a tela em vez de uma vida ativa será sempre em benefício de um estilo de vida sedentário.

Diante dessa realidade preocupante, são muitos os países que já exigiram uma Maior atenção do público para apaziguar o avanço destas doenças através de um Plano Europeu de Saúde Cardiovascular. No entanto, será um esforço inútil enquanto não for acompanhado por um verdadeiro impulso político. Da CGCOM e da SEC consideramos que o Governo de Espanha, durante a sua presidência europeia, desempenha um papel determinante pela responsabilidade, coerência e urgência social.

Nenhum progresso significativo

É essencial promover em Espanha, e desde o meio europeu, programas de vida saudável para o coração que tenham impacto na luta contra o tabagismo, que promovam uma alimentação saudável e que enfatizem a importância da prática de exercício moderado. É preciso apostar na divulgação e prevenção, pois serão eles os garantes da saúde e qualidade de vida da população a curto, médio e longo prazo.

Queremos expressar nossa preocupação com a falta de progressos tangíveis na melhoria da prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação de doenças cardiovasculares, e a zero desenvolvimento, após mais de um ano de publicação da nova Estratégia de Saúde Cardiovascular do Sistema Nacional de Saúde, apesar do acordo unânime do Conselho Interterritorial do SNS para o desenvolvimento da referida iniciativa.

Este apelo conjunto torna visível a grande preocupação que existe na sociedade civil em dar resposta aos principais problemas de saúde da população. Não há dúvida de que, em um país cada vez mais envelhecido como a Espanha, melhorar a saúde cardiovascular deve ser uma prioridade política, social e econômica. Além disso, de forma complementar, defendemos a necessidade de divulgação e treinamento em técnicas de RCP básicos para a cidadania. Esta prática tem demonstrado salvar muitas vidas e, além disso, alcançar um forte efeito preventivo devido ao impacto que a aprendizagem produz.

Por todas estas razões, pedimos ao novo Ministro da Saúde, José Manuel Miñones, que aproveite a oportunidade oferecida pela Presidência rotativa do Conselho da União Europeia entre julho e dezembro de 2023 para se concentrar nestas doenças. Dessa forma, pode-se firmar um pacto político que, a partir do que foi aprendido durante a pandemia de covid, impulsione, promova e estimule a prevenção, o diagnóstico e o tratamento dessas doenças para caminharmos rumo a uma sociedade mais resiliente e garantir um envelhecimento saudável.

Você pode gostar...

Artigos populares...