«Os recursos dedicados à Saúde também contribuem para a equidade, eficiência e crescimento económico»

Publicidade

“A provação de A Covid-19 revelou à sociedade como um todo o que as evidências científicas já haviam confirmado: que o investimento em saúde, medicamentos e pesquisas biomédicas não é tanto uma despesa quanto um investimento. E um investimento com retorno sanitário, econômico e social. Com esta mensagem, o presidente da Farmaindustria, Jesús Ponce, destacou esta manhã no Encontro de Alto Nível “A medicação e o valor social do investimento na Saúde” como O investimento em saúde e inovação em saúde melhorou tanto a saúde e o bem-estar da população quanto a equidade e a eficiência econômica dos países.

Publicidade

Este fórum reúne hoje e amanhã em Madrid autoridades sanitárias espanholas e europeias, reconhecidos especialistas nacionais e internacionais em economia e representantes da academia e empresas farmacêuticas para analisar o valor social dos medicamentos e o investimento em saúde.

Embora se tenha verificado o impacto deste investimento na saúde durante a pandemia, estes retornos são difíceis de quantificar, destacou Ponce, que se fez acompanhar na abertura do encontro pelo secretário de Estado da Economia e Apoio Empresarial, Gonzalo Garcia Andrés. “Todos fomos afetados em alguma medida por esta terrível pandemia: tivemos parentes que sofreram ou até morreram; tivemos problemas em nossas empresas; sofremos a obrigação de ficar em casa ou sair com máscara e manter distância; Finalmente, experimentamos o medo e a incerteza de enfrentar o desconhecido. Mas como tudo isso é medido?

Publicidade

Uma ideia é a impacto econômico que teve nos países, disse. «Por exemplo, o PIB espanhol caiu 11% em 2020, ou seja, cerca de 150.000 milhões de euros. Mas, E o custo de vidas? Das semanas e meses de internações hospitalares? Das longas recuperações de muitos afetados? E o medo, a angústia de uma sociedade diante de uma experiência que parecia ficção científica?

Publicidade

Efeito multiplicador do investimento em saúde

Para tentar responder a essas perguntas, ele citou dois dos especialistas que participaram da conferência, o presidente do Conselho Econômico e Social, o economista Antón Costas, e o professor de Economia da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, Frank Lichtenberg. «Numa conferência recente, Costas assegurou que a pandemia nos fez ver que tínhamos as prioridades erradas como país e que um euro investido na saúde tem um efeito multiplicador em termos de crescimento económico e emprego muito superior ao investimento desse mesmo euro em muitas outras actividades”.

No caso específico do inovação de drogas, O professor Lichtenberg, destacou Ponce, publicou estudos que mostram com evidências empíricas o aumento da expectativa de vida e os consequentes benefícios na produtividade e no crescimento econômico dos países graças aos novos medicamentos que surgiram nas últimas décadas. Na verdade, ele lembrou, tem mostrado que até 73% do aumento da expectativa de vida nos países desenvolvidos se deve às drogas.

“Seus estudos também calculam -acrescentou Ponce- a economia direta que o uso de medicamentos inovadores gera em outros benefícios à saúde, que deve ser computada em uma análise de valor social do medicamento, de seu valor para a sociedade como um todo, conforme exige nossa legislação”. Esta evidência e a última experiência dramática vivida com a pandemia devem ajudar a tomar medidas para o futuro, Ponce instou: “Isso deve nos ajudar a revisar nossos esquemas, metodologias e regulamentos e avaliar melhor a saúde e o bem-estar da população”.

«Da Farmaindustria estamos convencidos de que A partir do diálogo e compreensão de todos os agentes encontraremos o caminho para seguir o caminho da reforma do nosso sistema com o objetivo comum de melhorar a vida das pessoas”, disse Ponce.

Você pode gostar...

Artigos populares...