Farmácias pedem para ter acesso aos registos dos doentes

Publicidade

Um dia após a assinatura do XXV Acordo Coletivo Estadual das Farmácias, a Federação Empresarial dos Farmacêuticos (FEFE) pediu o aumento das funções das farmácias.

Assim, durante a celebração do FEFE UM DIA, o congresso de tecnologia na farmácia, Luis de Palacio, presidente da FEFE, apresentou o Plano de Ação. Uma iniciativa em que, dentro dos objetivos políticos definidos, a federação defenderá a farmácia “assimilando-a a um centro de saúde de baixa complexidade, para manter e aumentar as suas funções próprias, permitindo o acesso ao historial do doente”.

Publicidade

Além disso, a FEFE vai promover a sua integração nos serviços de cuidados primários para evitar a duplicação e aumentar a sua eficiência.

Este órgão quer também reduzir o número de vigilantes e promover a sua remuneração. Nesse sentido, De Palacio lembrou que “o maior número de vigilantes recai sobre a farmácia rural. Precisamos que as administrações tenham consciência de que áreas maiores (geograficamente) devem ser criadas para distribuir esforços”.

Algo fundamental, já que nessas farmácias eles passam mais de 180 dias de plantão por ano com pouco benefício.

Digitalize o selo do cupom

Publicidade

O presidente da FEFE destacou a importância da digitalização do talão do selo, uma vez que “não pode ser que o farmacêutico esteja mais atento a cortar o talão do carimbo para o poder levantar mais tarde do que o do doente. Hoje tem checagem de medicamento, prescrição eletrônica… não pode ser que continue assim”.

Um aspecto que Emili Esteve, diretor do Departamento Técnico da Farmaindustria, destacou, pois na sua opinião “a digitalização pode ser um antes e um depois para a farmácia com a supressão do cupão de esquadra. Mas como colocar em prática essa repressão? As farmácias e as comunidades autónomas têm de encontrar uma solução a este respeito”.

Publicidade

Além disso, “eleA digitalização deve servir para oferecer mais informações aos pacientes e tornar as cadeias de abastecimento um pouco mais seguras” diante da escassez porque com ele você tem um cadastro online, o Esteve influenciou.

O plano inclui ainda a recuperação da dispensação de medicamentos de diagnóstico hospitalar, para que os pacientes possam comprar todos os seus tratamentos na farmácia comunitária sem ter que ir ao hospital para buscá-los.

Algo crucial para Miguel Valdés, director general de la Federación de Distribuidores Farmacéuticos (Fedifar), que puso como ejemplo el caso de su propia madre que cuando va a la farmacia lo hace tan tranquila, pero “cuando le toca ir al hospital está tres días sem dormir”.

“Entendo que este caso pode ser alargado a muitos idosos que necessitam de medicamentos hospitalares, porque ao esforço da deslocação deve juntar-se a dificuldade de ter de se deslocar no hospital”, por isso é fundamental que “Tantos medicamentos quanto possível estão disponíveis nas farmácias que é onde o paciente fica muito mais confortável do que em um hospital”.

Continuando com o Plano de Ação, De Palacios reivindicou a importância de manter a dispensação de medicamentos veterinários como a melhor garantia para a saúde pública, além de exigir “uso exclusivo da cruz verde em farmácias para que a população e os pacientes não sejam confundidos com parafarmácias que não possuem medicamentos em seu meio. Este uso exclusivo já foi alcançado na lei de planejamento das Ilhas Canárias”.

Quanto às medidas de transformação digital, o plano inclui a importância da criação de postos de trabalho para incluir pessoal não farmacêutico, promover a dispensação presencial de medicamentos nas farmácias com o auxílio de novas ferramentas digitais e oferecer soluções de automação aos associados (robôs , máquinas de pagamento, telas digitais, etc.).

Relativamente aos objectivos definidos nos serviços profissionais, o presidente da FEFE destacou que os cuidados farmacoterapêuticos domiciliários “devem ser considerados apenas excepcionalmente, dirigidos exclusivamente a doentes com necessidades de cuidados específicos e acreditados pelos serviços públicos de bem-estar; incluindo a entrega informada de medicamentos com os mesmos requisitos da dispensa presencial na farmácia”.

Após a apresentação do plano, Ángel Ruiz Rodríguez, secretário-geral da Associação Espanhola de Medicamentos Genéricos (Aeseg), discorreu sobre a situação que o setor atravessa com o aumento dos preços da energia.

Nesse sentido, solicitouaumentar em um 10% o preço de todos os genéricos que estejam abaixo dos 1,60 euros” dada a situação atual. Um pedido que se “justifica” porque “não há revisão de preços desde 2014”.

Sobre a reforma da lei de garantias, o secretário da Aeseg destacou que deve haver “uma reforma na lei de preços de referência porque é um sistema ultrapassado em muitos aspectos e depois também uma reindustrialização. Temos 20 fábricas em Espanha e para não dependermos tanto de terceiros países e atrair investimentos, devemos promover medidas de reindustrialização”.

Você pode gostar...

Artigos populares...