“Se a mortalidade disparou com o calor, com o frio será muito pior”

Publicidade

A Espanha lidera o macabro ranking de excesso de mortalidade na União Europeia e o faz com ampla vantagem, após registra quase 5.000 mortes em agostode acordo com as estatísticas do Sistema de Monitoramento Diário de Mortalidade (MoMo). A pandemia já não é a única culpada a que tudo pode ser atribuído e, o que é pior, os especialistas prevêem que isto vai piorarpois concordam que a crise energética e a escalada de preços prejudicam a saúde.

“Nossas previsões são muito negativas. Se a mortalidade aumentou tanto com o calor, sabemos que as consequências do frio podem ser bem piores, uma vez que agravam inúmeras patologias e aumentam o risco de fragilidade. Nos hospitais vemos todos os anos como o inverno piora a saúde dos doentes crónicos, mas também das pessoas saudáveis, por isso este ano, Com a grave crise energética que se espera e a falta de recursos econômicos das famílias, esperamos que os problemas de saúde aumentem e que haja um índice de mortalidade muito alto. Se os dados do verão nos chocaram, acho que o pior ainda está por vir”, alerta Lorenzo Armenteros, porta-voz da Sociedade Espanhola de Médicos Gerais e de Família (SEMG). “Não se trata de incutir medo – acrescenta – mas o nosso dever é fazer soar o alarme para que sejam tomadas medidas o mais rapidamente possível, uma vez que os meses frios são os mais perigosos para a saúde. É agora que as autoridades devem reagir ou vamos nos atrasar.

Publicidade

A tempestade perfeita

A chamada de atenção de Armenteros não é isolada, já que Tudo indica que estamos diante de uma tempestade perfeita que ameaça desestabilizar a saúde dos espanhóis e, com ela, sobrecarregar o sistema de saúdemuito emocionado depois do covid. «35% da população infantil do nosso país tem problemas para ter uma alimentação básica adequadanúmero que pode chegar a 45% em algumas comunidades, e que esperamos que aumente acima de 50%, dadas as previsões de custo que estão sendo considerados. Neste contexto, incluir fruta, legumes ou peixe na dieta será um privilégio que será substituído por massas, arroz, produtos mais baratos mas elaborados com gorduras saturadas… com o que isso implica nas taxas de obesidade, sem ignorar a desnutrição”, prevê Juan Gil Arrones, Secretário-Geral da Sociedade Espanhola de Pediatria Social (SEPS), que lamenta que «um país que não baseia o seu desenvolvimento na infância, a médio e longo prazo, tem um futuro muito pobre. Precisamos de uma juventude saudável, por isso devemos nos concentrar agora nas famílias que têm filhos ou pagaremos caro como sociedade.

“Já é perceptível nas consultas”

Publicidade

As previsões mais sombrias já começam a tomar forma. Embora na Espanha não há números oficiais que atestam o impacto na saúde do aumento dos custos da energia e do aumento da inflação, os hospitais já dão conta disso: “Estamos a encontrar doentes com doenças respiratórias que nos procuram com uma descompensação da sua patologia e um agravamento nas consultas por confessarem não conseguir cumprir o tratamento adequado por falta de recursos financeiros”, reconhece Eusebi Chiner, Chefe de Pneumologia do Hospital San Juan de Alicante e diretor da SeparPacientes. Como detalha o pneumologista, “na Espanha existem um milhão de pessoas que recorrem a terapias respiratórias domiciliárias e muitas já nos dizem que reduziram as horas que dedicam ao seu tratamento, colocando em risco a sua saúde. O aumento dos gastos com energia pode fazer com que a fatura de eletricidade destes doentes chegue aos 200 euros por mês e isso implica que deixem de cumprir os tratamentos e que as patologias se agravem, aumentando as suas complicações e o risco de morte.

Publicidade

Mas nem só os pacientes com doenças respiratórias estão na corda bamba, já que isso também impacta, e muito, na pessoas com doença renal que optam por diálise em casa. “Há evidências científicas de que esses tratamentos caseiros os resultados e a qualidade de vida do paciente melhoram, mas já estamos vendo que reduzem as horas que se conectam aos aparelhos, com o risco vital que isso implicaou ainda outros que preferem recusar esta modalidade e ir para o hospital, pois implica um aumento das suas contas entre 30 e 60 euros por mês. Algumas comunidades levam em conta essas despesas, mas não todas”, lamenta Dolores Arenas.nefrologista e diretor assistencial da Fundação Renal Íñigo Álvarez de Toledo, entidade que tem concedido ajuda nesta linha.

Os doentes crónicos são, portanto, os mais vulneráveis, mas não os únicos, já que “os últimos dados do CIS do Barómetro da Saúde 2022 publicados em junho sugerem que 3,3% dos entrevistados pararam de tomar seus remédios porque não podiam pagar. Isso é de enorme importância, pois a falta de adesão aos tratamentos Pode afetar a qualidade de vida do paciente a curto e longo prazo, agravando a sua patologia e dando origem ao aparecimento de novas doenças, o que tem impacto nestas pessoas e no sistema“, reconhecer Carina Escobar, presidente da Plataforma das Associações de Doentes (POP), que lamenta que “não seja aceitável que os doentes crónicos que se cuidam em casa piorem a sua saúde. Pedimos às comunidades autónomas que sejam mais coerentes.

Existem organizações internacionais que já colocam preto no branco o que está por vir a nível da saúde. «Sabemos que uma crise económica, com um aumento dos custos para os níveis de que falamos, terá impacto na saúde dos cidadãos. Este fato foi explorado em o relatório de 2022 do Institute of Health Equity da Inglaterra. Ele fornece dados como o excesso de mortalidade em seu país no inverno anterior com uma cifra assustadora: 63.000 mortes. Destes, 21,5% estão diretamente relacionados a residências frias e mal climatizadas”, diz. Iria Miguensporta-voz da Sociedade Espanhola de Medicina de Urgência e Emergência (Semes) e coordenador do Grupo Semes MUEjeres, que garante que «A repercussão na saúde dos espanhóis também será inevitável devido ao frio e suas consequências, má alimentação, má qualidade de vida…».

mais doente

Neste contexto, “dois fatores determinantes claros podem ser misturados: O facto de viver numa casa fria, ou num clima mais frio, com humidade, pó… condicionaria o agravamento de diversas patologias respiratórias(humidade e frio condicionam o aparecimento de 10 a 15% de novos casos na infância de patologia asmática). Por outro lado, no paciente adulto com DPOC, sabe-se que o curso de sua doença melhora quando estão em temperaturas de 21º. A exacerbação de determinadas patologias aumentaria a necessidade, dependência e uso de instrumentos eletromédicos que dependem da rede elétrica, portanto, aumentando seu uso, aumenta seu custo. No paciente adulto também se manifestarão maior aumento de infeções respiratórias, como em crianças, favorecendo uma maior circulação de vírus, incluindo o SARS-CoV-2, num contexto de possível sobrelotaçãojá esperado no inverno”, argumenta Miguéns.

Nesse cenário, Armenteros lembra que “o frio reduz nossa capacidade defensiva e piora o sistema imunológico, o que nos expõe a mais vírus e bactérias. Além disso, o aumento dos custos dos alimentos implica desnutrição e o risco de distúrbios metabólicos desestabilizadores, como diabetes, hipertensão ou patologias circulatórias.

A essas consequências físicas soma-se, além disso, a impacto psicológico, já que “a exposição contínua ao frio pode causar problemas de saúde mental», alerta Miguéns, afirmação em que todos os especialistas concordam, uma vez que «o stress e a ansiedade debilitam a saúde, pelo que devem ser tomadas medidas de proteção desde já».

Mais perigo de incêndios e envenenamento

Não chegar ao fim do mês com alguma folga significa desligar o aquecimento e dar lugar a outros métodos de aquecimento menos seguros, como o recurso a fogões, fogões velhos ou mesmo braseiros a lenha improvisados. De fato, Os serviços de emergência já estimam que o envenenamento por monóxido de carbono e os incêndios domésticos aumentarão neste outono-inverno em nosso pais. “Nosso dever agora é fazer um maior acompanhamento e vigilância dos pacientes mais frágeis que moram sozinhos, embora devamos redobrar nossos esforços que já são insuficientes”, diz Armenteros.

Você pode gostar...

Artigos populares...