Leucemia mielóide crônica, o desafio de alcançar qualidade de vida após garantir a sobrevivência

Publicidade

Dado o desconhecimento do que significa e da importância que tem, o diagnóstico soa devastador: “Você sofre de leucemia mielóide crônica” foram as palavras que ele ouviu Antony –nome fictício– há pouco mais de uma década, quando eu mal tinha 38 anos e estava no auge da vida. «Seu coração cai aos seus pés. É um jarro de água fria muito difícil de enfrentar, porque as palavras leucemia e câncer sempre dão muita vertigem. Porém, meu médico foi muito cuidadoso e com muita temperança e delicadeza desde o primeiro momento”, relembra Antonio.

Publicidade

O especialista que desde então tem dado a mão ao António para que não caia neste caminho é o médico Filipe Casadomédico assistente do Serviço de Hematologia do Hospital Geral Universitário de Toledo e presidente do conselho de administração do Grupo Espanhol de Leucemia Mielóide Crônica, que confirma que “Embora estejamos lidando com uma doença tumoral da medula óssea, é a primeira vez que se torna crônica e estamos fazendo isso cada vez com melhores resultados, mais rápida e com menos efeitos secundários, pelo que a inovação continua a ser essencial nesta patologia.”

A prova de que se trata de um tumor bem controlado é que é lugar-comum a decisão de Antonio de não mostrar o rosto ou dar o nome verdadeiro. «Só a minha mulher sabia o diagnóstico. Eu não queria contar, nem mesmo para minha família ou amigos mais próximosporque dizer a palavra leucemia ou câncer implicaria em preocupação e mal-estar que não desejo para eles”, reconhece Antonio.

Viva no anonimato

Publicidade

E não é um caso isolado, pois, como nos conta o Dr. Casado, «É algo mais comum do que parece, mesmo pessoas muito famosas, com carreiras profissionais de muito sucesso e voltadas para o público, sofrem sem que ninguém saiba. E a razão é que pode ser muito difícil lidar com a pressão social que tal diagnóstico implica, já que as pessoas tendem a se concentrar constantemente nessa doença, tratando os afetados com certa misericórdia e compaixão. Diante da leucemia mieloide crônica, o tratamento é simples, com medicamento, e o controle costuma ser rápido. A única desvantagem é que podem aparecer efeitos colaterais. derivados dessas drogas que podem reduzir a qualidade de vida daqueles que as sofrem em maior ou menor grau.

Publicidade

Diante do diagnóstico confirmado de leucemia mieloide crônica “eles usam medicamentos conhecidos como inibidores da tirosina quinase que têm como alvo a proteína BCR-ABL. Trabalhamos com eles há mais de 25 anos e estão cada vez melhoresou seja, com capacidade mais rápida e profunda de controle da doença e com efeitos colaterais mais invisíveis”, diz Casado. Olhos inchados ao acordar, cólicas, problemas intestinais… São algumas das consequências que a medicação deixa hoje em grande parte dos acometidos. e que, como Antonio lembra, eles podem forçá-los a mudar de vida. «Tive que deixar o esporte por um tempo devido a dores nas articulações».

A leucemia mielóide crônica tem muitas faces. Há pacientes que passam muito mal e que sofrem de uma doença que para muitos outros é crônica e tem poucos efeitos colaterais. O objetivo dos tratamentos é que a doença desapareça o mais rápido possível e O desafio da pesquisa agora é que todos os pacientes possam viver assim. Esse desafio já é uma realidade, como demonstra o caso excepcional de Antonio, porque “em seis meses desde que comecei a tomar a medicação, passou. Mantive o tratamento e em dois anos não deu sinal, então o médico me disse que eu seria candidato a tirar a medicação, embora seja inevitável que a cada novo check-up você fique com um nó no estômago, “diz o paciente. E a outra característica desta doença é que É uma patologia crónica, pelo que tem de se manter muito vigilante ao longo da vida.

A situação em que Antonio se encontra agora é o que se conhece como «descontinuação, ou seja, consiste em suspender o tratamento por não haver sinais da doença. Isso é viável e funciona em pelo menos metade das pessoas afetadas. Nesta fase, a chave é o monitoramento próximo e isso se traduz em exames de sangue e revisões uma vez por mês, que são estendidas a cada dois ou três meses Porque assim, ao primeiro sinal de suspeita, podemos reiniciar o tratamento a tempo e com segurança”, explica o Dr. Casado, cujos contactos foram disponibilizados pela Novartis para a secção “Janela do Paciente”.

A história de Antonio é excepcional e o melhor exemplo de que a pesquisa pode salvar vidas. “Gostaria que todas as doenças tumorais tivessem um final tão feliz quanto esse paciente”, confessa o Dr. Casado. Agora o desafio é avançar para a medicina de precisão para evitar os efeitos colaterais do tratamento em todos os perfis de pacientes, para que a pessoa afetada tenha uma vida plena e tenha sua doença sob controle.

Diagnóstico precoce com exame de sangue

►Um simples e direto Os exames de sangue de rotina podem se tornar a chave para o diagnóstico precoce da leucemia mielóide crônica e o sucesso do tratamento. E esse ato é decisivo, já que essa doença não apresenta sintomas em seus estágios iniciais em aproximadamente metade dos acometidos, por isso costuma passar despercebida. Assim, antes do aparecimento de leucócitos muito elevados, se não houver outros parâmetros alterados, o hematologista pode rapidamente confirmar o diagnóstico através da medula óssea o que permite ver se o paciente tem a translocação genética característica dessa leucemia, que pode aparecer em qualquer idade e igualmente em homens ou mulheres.

Você pode gostar...

Artigos populares...