Novos métodos para remover varizes: escleroterapia

Publicidade

A inflamação da veia, conhecida como varizes, torna-se um problema estético que, no entanto, esconde atrás de si um problema de saúde para o qual a inovação tecnológica tem cada vez mais soluções. A prova disso é Varixio, o primeiro dispositivo para a preparação automática da espuma necessária para o tratamento de varizes com escleroterapiainventado pelo cirurgião vascular enric rocheconsultor sênior do Serviço de Angiologia e Cirurgia Vascular do Hospital Geral da Catalunha (Barcelona) e do Hospital Universitário Josep Trueta (Gerona).

Quantas pessoas sofrem de varizes em nosso país?

As veias das pernas elevadas e visíveis afetam entre 20-25% da população. Mas se levarmos em conta que não existem apenas varizes, mas também alterações estéticas, como os vasinhos que causam muitos complexos, chegamos a 50%. E esses números disparam quando falamos de mulheres com mais de 50 anos, já que quase 80% delas apresentam alguma alteração cosmética relacionada à insuficiência venosa.

Publicidade

É um problema de saúde que tem aumentado nas últimas décadas?

Não há estudos epidemiológicos que indiquem uma tendência de aumento, mas agora um número maior de casos está sendo detectado. Há 25 anos, os pacientes deixavam sua patologia evoluir sem ser verificada e isso mudou porque há mais consciência.

Que complicações de saúde pode causar se não for tratada?

É uma preocupação estética, mas, além disso, a insuficiência venosa pode causar sintomas muito incômodos, como dor e peso nas pernas, inchaço e aparecimento de edema e retenção de líquidos. Isso, levado à evolução da doença, pode desencadear escurecimento da pele, endurecimento dos tecidos e até úlceras venosas que são feridas crônicas de difícil resolução. E não podemos esquecer que aumenta o risco de trombose venosa profunda.

Portanto, é melhor tratá-los. Que opções existem?

Publicidade

Em geral, a insuficiência venosa superficial deve ser tratada eliminando aquelas veias dilatadas tortuosas que não cumprem sua função de retorno venoso para que não se gere hipertensão venosa e sobrecarga da extremidade. Classicamente, os tratamentos baseavam-se em técnicas de rasgamento, fazendo cortes na pele. Mas foi muito agressivo e com um pós-operatório muito limitante. Nos últimos 15-20 anos, sistemas minimamente invasivos evoluíram, baseados na remoção de veias doentes por extração de dentro. Alguns deles são realizados na sala de cirurgia para secá-los com calor ou outras substâncias.

Que alternativas mais modernas e menos agressivas existem?

Publicidade

A que mais se desenvolveu nos últimos anos e com grande aceitação por parte do paciente é a escleroterapia com espuma. Especificamente, consiste na introdução na veia doente de uma substância à base de um irritante misturado com um gás. Esta espuma consegue o mesmo efeito das técnicas tradicionais, pois irrita, inflama e seca a veia doente, mas sem necessidade de centro cirúrgico ou mesmo de hospital, pois pode ser feito em ambulatório.

É adequado para qualquer pessoa?

Sim. Pode ser aplicada em praticamente qualquer tipo de varizes, desde que, por ser uma técnica menos invasiva, muitas vezes essas sessões tenham que ser repetidas, o que difere das alternativas cirúrgicas. A maior vantagem é que é muito confortável e não limita o paciente, já que não requer preparo ou licença médica.

Ele projetou o primeiro dispositivo para a preparação automática da espuma necessária para a escleroterapia. Como Varixio funciona?

A preparação do produto que é injetado no paciente é realizada em todo o mundo de forma manual, exceto nos EUA.Desenhamos um dispositivo capaz de preparar esta espuma automaticamente. Oferecemos de forma acessível, pois tem baixo custo, e distribuímos na Europa, Reino Unido, Japão e América Latina.

Inovação “made in Spain” que dá a volta ao mundo…

Definitivamente. A Espanha é um país que gerou muitos avanços no mundo da flebologia. Este dispositivo foi amplamente aceito entre os profissionais e estamos orgulhosos de que uma empresa espanhola traga tal revolução internacionalmente.

Que vantagens traz?

Essa padronização significa mais segurança, pois o processo manual pode ser errático. Além disso, é altamente versátil, pois a espuma pode ser fabricada em qualquer concentração. Este dispositivo é uma mudança radical e representa a próxima geração na prática da escleroterapia.

E para o paciente?

Ganhe em acessibilidade, pois mais profissionais poderão oferecê-la. Além disso, é indicado para o tratamento de varizes de diversos tamanhos.

Requer algum treinamento?

Não, porque é um dispositivo muito intuitivo e fácil de usar seguindo algumas instruções simples.

Como vê o futuro da abordagem das varizes?

Ouso dizer que em uma década veremos como ninguém vai à faca para tratar suas varizes. Além disso, alguns elementos genéticos serão conhecidos por prevenir seu aparecimento ou tratá-los em um estágio muito inicial.

Você pode gostar...

Artigos populares...