O que é o vírus do papiloma humano?

Publicidade

O papilomavírus humano (HPV), também chamado de papilomavírus, é um germe generalizado que afeta mais da metade das pessoas que fazem sexo. É o agente causador de praticamente todos os casos de câncer cervical e suas lesões precursoras. Até o momento, mais de 200 tipos diferentes de HPV foram identificados. Apenas dois genótipos de alto risco, 16 e 18, causam aproximadamente 70% das lesões cervicais invasivas, e os outros 12 tipos respondem pelos 25-35% restantes.

Publicidade

1. Como se contrai?

Através do contato com a pele ou mucosas. A principal via de contágio é sexual. Na verdade, esta infecção é a infecção sexualmente transmissível mais comum em todo o mundo.

Publicidade

2. Quais são os sintomas?

A maioria das pessoas com papiloma humano não apresenta sintomas ou problemas de saúde. Às vezes, o papiloma humano pode causar verrugas genitais. Os testes de detecção do HPV são um marcador muito sensível e precoce do risco de câncer ou lesões precursoras, principalmente em mulheres com mais de 25 anos.

Publicidade

3. Como é curado?

Não há cura, mas existem tratamentos para problemas de saúde que o HPV pode causar, como verrugas genitais, alterações cervicais e câncer cervical. A prevenção é fundamental, com recomendações para reduzir o número de parceiros sexuais e o uso de preservativos, embora o grau de proteção contra o HPV fornecido pelo preservativo seja desconhecido. Áreas não cobertas pelo preservativo podem ser expostas ao vírus.

4. O bebê pode ser infectado durante o parto?

Muito ocasionalmente, uma mulher grávida infectada pelo HPV pode transmiti-lo ao recém-nascido durante o parto.

5. A vacina, quem toma?

A vacinação visa prevenir os cânceres causados ​​por esse vírus: nas mulheres principalmente o câncer de colo do útero e nos homens o câncer de garganta e outros. A vacinação é especialmente eficaz se a infecção não ocorreu e isso só pode ser garantido quando as relações sexuais ainda não começaram. Por esta razão, são os pré-adolescentes e adolescentes que potencialmente mais se beneficiarão de seus efeitos preventivos. Na Espanha existem três vacinas profiláticas, sem vírus vivos. Recomenda-se que de 11 a 12 anos recebam as duas doses. Está incluída nos calendários de vacinação de todas as autónomas, até ao momento só foi administrada a raparigas de 12 anos. Embora todas as comunidades tenham um prazo para introduzir esta vacina no calendário financiado para crianças. Algumas autonomias incluem em seus programas de vacinação mulheres com lesões pré-cancerosas de alto grau que vão ser tratadas, ou já foram, com técnicas cirúrgicas, pois o risco de reinfecção pelo mesmo ou diferente vírus é alto, ou reativação pelo vírus causador .

6. Se você for vacinado, está livre de se infectar?

As pessoas vacinadas desenvolvem defesas que impedem a infecção por esses vírus em caso de contato, embora seja preciso ter em mente que nem todos os papilomavírus implicados em tumores estão contidos nas vacinas disponíveis hoje.

7. Se eu tiver, vou desenvolver câncer?

Existe um teste que pode detectar tipos de HPV de alto risco no colo do útero que podem causar câncer. A triagem adequada e sustentada de mulheres saudáveis ​​por citologia cervical conseguiu reduzir a incidência e a mortalidade por câncer cervical em até 70-80%. Pode-se dizer, portanto, que o câncer causado pelo HPV é uma complicação muito rara de uma infecção frequente, e que a infecção pelo vírus é uma condição necessária, mas não suficiente, para o câncer do colo do útero.

Você pode gostar...

Artigos populares...