Por estas razões o copo de cerveja e o vinho são saudáveis ​​à mesa

Publicidade

A polémica está posta na mesa e o debate está na superfície após a polémica pretensão do Ministério da Saúde de propor a censura ao consumo de álcool na ementa diária dos restaurantes do nosso país no âmbito da nova Estratégia em Saúde Cardiovascular. A sugestão proposta convidou «colaborar com estabelecimentos de restauração para promover a dieta mediterrânica como modelo de alimentação saudável para o coração –sem incluir o consumo de álcool–». E é precisamente este último slogan que levantou todos os alarmes, pois significaria vetar o consumo moderado de cerveja e vinho, como revelou LA RAZÓN no mesmo dia em que o documento foi apresentado ao Conselho Interterritorial. Depois da comoção causada, a Saúde viu-se obrigada a rectificar a redacção do documento inicial e deixar que a decisão de consumir ou não este tipo de bebida recaia apenas no próprio consumidor, medida que até a Science apoia.

«Não está demonstrado que o consumo moderado de vinho ou cerveja durante as refeições seja prejudicial à saúde, desde que acompanhado de uma boa alimentação e no âmbito de um estilo de vida saudável. De facto, temos estudos que nos permitem demonstrar que a a ingestão de álcool em quantidades moderadas pode ser benéfica para a saúde cardiovascular na maioria das pessoas», garante marca de ascensãoProfessora Investigadora do Instituto de Ciência e Tecnologia Alimentar e Nutrição do Conselho Superior de Investigação Científica (CSIC).

Publicidade

“Isso não significa que o consumo de álcool vá ser recomendado indiscriminadamente de forma alguma, mas significa que, caso opte por essa alternativa, Quando falamos de adultos saudáveis, sempre dê prioridade às bebidas fermentadas em detrimento dos destilados, que são muito prejudiciais à saúde.. É muito comum que um menu do dia inclua a opção de água, vinho, cerveja ou refrigerantes e o consumo destes últimos em grandes quantidades ao longo do dia tem demonstrado ter um sério impacto no desenvolvimento da obesidade. , com tudo o que isso implica, o risco de diabetes e até alguns tipos de câncer”, alerta Marcos.


consumo moderado
consumo moderado antônio cruz

Esta mesma ideia é também defendida pela Sociedade Espanhola de Cardiologia, cujo presidente, Julián Pérez-Villacastín, reconhece que “Não há nada melhor do que um copo de vinho durante uma refeição. Neste momento, não há nenhuma evidência contra o fato de que você pode consumir um ou dois copos de vinho por dia. Existem até dados que podem mostrar que essas quantidades moderadas de álcool podem ser benéficas para a saúde cardiovascular da maioria das pessoas. Mas isso não quer dizer que a SEC recomende o consumo excessivo de vinho.” Por isso, a investigadora do CSIC vai mais longe, lamentando que se fale em proibições, “porque Se vamos vetar alguma coisa, vamos começar pelo tabaco, que realmente tem sido visto como muito prejudicial ao organismo, ou alimentos ultraprocessados… É muito incongruente retirar cerveja e vinho do cardápio quando o que realmente importa é que tipo de comida é servida e que tipo de cozimento é usado. Se formos para um modelo de proibições, que seja bem feito, mas enquanto isso o mais importante é educar a população».

Evidência científica

Publicidade

Anos atrás, a Science classificou como um “paradoxo francês” o fato de nossos vizinhos do norte terem menos mortalidade por doenças coronarianas do que os demais, apesar da maior ingestão de gorduras e dos altos níveis de colesterol de grande parte de sua população. «Diversos estudos chegaram à conclusão de que se devia ao consumo de vinho e, a partir daí, tem havido muita pesquisa sobre o efeito cardioprotetor desta e de outras bebidas fermentadas», garante humberto martindiretor da Cátedra de Bebidas Fermentadas da Universidade Complutense de Madrid (UCM) e membro da Real Academia de Farmácia.

A bibliografia científica a respeito dessas bebidas começa a ser abundante, embora ainda seja controversa, pois existem estudos em direções opostas. «Claramente, o consumo excessivo de álcool é prejudicial à saúde, mas não foi possível demonstrar que o mesmo acontece com o consumo moderado, muito pelo contrário, porque certos benefícios foram encontrados em doenças cardiovasculares e diabetes, pois parece que eles têm um efeito positivo no metabolismo da glicose, em comparação com os sintomas da menopausa ou perda de massa óssea. O que isso nos diz é que essas bebidas se encaixam em uma dieta saudável», garante Martin.

Publicidade

Por um lado, as uvas contêm antioxidantes que podem ajudar a prevenir coágulos sanguíneos e proteger os tecidos dos vasos sanguíneos, como confirmado por um estudo da Universidade de Harvard. De fato, a investigação determinou que aqueles que bebem vinho com moderação são 30% menos propensos a ter um ataque cardíaco. Por outro lado, também foram apontados os benefícios na saúde mental, pois estudos da Universidade de Buffalo e outras universidades da Espanha constataram que um copo de vinho tinto contém a dose necessária de resveratrol para estimular a felicidade e combater os sintomas causados ​​pela ansiedade e pela depressão.

A isto acrescenta-se que algumas investigações têm valorizado que o vinho tinto é capaz de melhorar a saúde cardiovascular, porque diminui a concentração de placas aterogénicas nas artérias e aumenta os níveis de HDL ou colesterol bom. Além disso, peguer um ​​copo de vinho tinto após o almoço ou antes de dormir pode ajudar a perder peso, pois algumas pesquisas afirmam que sua ingestão facilita o processo digestivo e evita a formação de células de gordura no corpo.


consumo moderado
consumo moderado antônio cruz

Porém, diante de todos esses “benefícios”, também há vozes críticas, porque, como recorda María Miguezmembro do Conselho Geral dos Colégios Oficiais de Dietistas-Nutricionistas, “beber vinho às refeições significa consumir álcool, com todas as implicações para a saúde que isso acarreta (aumento do risco de desenvolver vários tipos de câncer, doenças do fígado, patologias cardiovasculares, etc.). Se quisermos aproveitar os famosos polifenóis que podemos encontrar no vinho, o ideal seria consumir a uva como uma peça de fruta, poupando-nos assim a quantidade de álcool.”

endossos para cerveja

Se por trás do vinho há boas evidências científicas, ainda mais aparecem quando o assunto é cerveja. «Parte dos efeitos benéficos desta bebida deve-se ao seu baixo teor alcoólico e outra parte ao seu teor em polifenóis, um tipo de composto bioativo com capacidade antioxidante e antiinflamatória presente em bebidas fermentadas e também em outros alimentos de origem vegetal”, explica. Ramón Estruchconsultor sênior do Serviço de Medicina Interna do Hospital Clínic de Barcelona.

De facto, este especialista tem conduzido vários estudos publicados em revistas científicas como “Nutrients” que sugerem que o consumo moderado e regular de cerveja, nas refeições principais, poderia exercer efeito protetor no aparecimento e progressão da aterosclerose, ou seja, o endurecimento dos vasos sanguíneos devido ao acúmulo de gordura, bem como sobre diversos fatores de risco cardiovascular, principalmente na população com risco vascular moderado-alto. Além disso, esta e outras investigações serviram para acabar com o mito da barriga de cerveja, “pois já foi observado que a composição corporal de quem bebe mais cerveja não é afetada após o consumo moderado dessa bebida”diz Estruch.

A chave para todas essas evidências está na ingestão moderada de vinho ou cerveja dentro de um contexto de menu saudávela tal ponto que, segundo Estruch, “o consumo de bebidas fermentadas sempre às refeições poderia explicar 20% do efeito protetor da dieta mediterrânea”.

Quantas bebidas é igual a ingestão moderada?

Para atender ao requisito de moderação defendido por especialistas o consumo de cerveja para os homens equivale a uma a duas latas, enquanto para as mulheres é de uma lata por dia, de acordo com uma recente revisão espanhola publicada na revista científica «Nutrients». No caso de vinho, a ingestão moderada equivale a um copo durante a refeição para os homens e meio copo no caso das mulheres.

De qualquer forma, o segredo para uma boa saúde cardiovascular está em praticar a dieta mediterrâneaa: uma dieta rica e variada com abundância de frutas e legumes da estação, legumes, verduras, além de grãos integrais, peixes, carnes brancas, nozes e azeite.

Você pode gostar...

Artigos populares...