Uma em cada três crianças com menos de 6 anos tem cárie

Publicidade

O Conselho Geral de Médicos Dentistas apresentou hoje o “Atlas da Saúde Oral em Espanha. Uma chamada à ação. 2022″. Apresenta dados epidemiológicos, hábitos dos cidadãos, fatores de risco e aspectos da profissão odontológica em nosso país. Também inclui uma seção com propostas para melhorar a saúde bucal da população.

Publicidade

Como Óscar Castro Reino, presidente do Conselho Geral de Médicos Dentistas, detalhou alguns dos assuntos mais relevantes do Atlas. Assim, ele relatou que na UE, “O custo dos cuidados orais (90.000 milhões de euros) só é superado pelo das doenças cardiovasculares e diabetes”. Em 2019, a despesa dentária por cidadão em Espanha foi de 90 euros, dos quais 98% correspondem a despesas diretas do próprio bolso. Em outros países, como França e Alemanha, é de 22% e 25%, respectivamente.

Em relação à carga das patologias bucais, o Atlas reflete que um terço das crianças menores de 6 anos tem cárie. Ou seja, cerca de 850 mil crianças acumulam cerca de quatro milhões de dentes de leite com cárie. Além do mais, apenas um em cada 4 dentes decíduos com lesão de cárie recebeu tratamento oportuno. No caso dos adultos jovens (30 a 50 anos), 94% têm cárie. As pessoas nessa faixa etária têm, em média, sete dentes cariados. Deles, 40% não são tratados.

Publicidade

O impacto do nível social

Publicidade

Por outro lado, a doença periodontal afeta um terço dos idosos (65-80 anos). Destes, cerca de 12% apresentam a forma grave da periodontite. O edentulismo -ou o que é o mesmo, a falta de peças dentárias- também tem uma alta prevalência nos idosos, com uma média de 11 dentes perdidos. Apenas 45% têm dentição funcional (21 ou mais dentes funcionais) e 7,3% são totalmente desdentados. “A boa notícia é que a evolução é positiva, porque entre o ano de 2000 e 2020 o número de pacientes edêntulos totais foi reduzido de 23,4% para 7,3%”, Castro expressou.

Mas ele qualificou que há um forte gradiente social: “Menores de baixo nível social têm três vezes mais cáries do que os de alto nível social, e o edentulismo total atinge três vezes mais os idosos de baixo nível social”. Todos os anos são diagnosticados cerca de 8.000 novos casos de cancro oral, 75% tardios. Afeta homens com mais de 55 anos.

O Atlas também afeta o fatores de risco para várias patologias orais. Por exemplo, o açúcar consumido na Espanha supera quase três vezes o recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O açúcar altera o microbioma oral, causando disbiose e favorecendo o crescimento de bactérias cariogênicas. Por sua vez, o tabaco é a causa da morte de cerca de 60.000 pessoas por ano na Espanha. De fato, cerca de 90% dos cânceres bucais estão relacionados ao tabagismo. Da mesma forma, aproximadamente 23% dos homens e 8% das mulheres bebem álcool diariamente na Espanha.

na atenção primária

“Para aspirar a uma saúde bucal ideal na Espanha, é necessária a adoção imediata de uma série de importantes transformações de natureza sanitária, política, legislativa e organizacional”, explicou Castro. Na área da saúde, tem o compromisso de priorizar as ações voltadas para a promoção e prevenção das principais patologias bucais, porque somente reduzindo-os se alcançará a saúde bucal ideal.

A nível político e legislativo, os esforços devem centrar-se numa aumento da defesa dos pacientes contra certos riscos, como propaganda enganosa de saúde ou a necessidade de uma nova Lei das Sociedades Profissionais. Deve também refletir sobre os problemas e riscos associados à multiplicidade de dentistas e legislar sobre as especialidades odontológicas.

“Por último, -disse o Dr. Castro-, o atual modelo de integração dos médicos dentistas nos Cuidados Primários deve ser repensado reforçar seu trabalho eminentemente preventivo e de promoção da saúde, atuando de forma interdisciplinar com outros profissionais sociossanitários. Para a coordenação de tudo isto, propõe-se a criação de um serviço comunitário de medicina dentária a nível nacional, que ficaria responsável pela gestão e avaliação de todas as acções, em estreita colaboração com os responsáveis ​​das comunidades autónomas.

Um dentista para cada 1.171 habitantes

Entre 1994 e 2022, o crescimento do número de dentistas foi de 205%. Atualmente, são mais de 40.000 em nosso país (um para cada 1.171 habitantes) e 1.750 novos profissionais se formam a cada ano. Nos últimos anos, a profissão tornou-se feminizada e 60% são mulheres.

A densidade de dentistas por 100.000 habitantes é de 85 (a mesma da Alemanha), mas esses números não são comparáveis ​​se não forem previamente ajustados ao nível de demanda de cuidados bucais. A Espanha é um dos países da UE onde as pessoas visitam o dentista com menos regularidade (entre 47-50% o fazem anualmente), o que coloca nosso país 35 pontos abaixo da Alemanha, por exemplo.

A densidade ajustada de dentistas/população em Espanha é o dobro da dos países vizinhos, apenas superada pela Estónia, Bulgária, Portugal e Grécia.

Você pode gostar...

Artigos populares...