“Com a pandemia, foi atingido o auge das farsas nas informações de saúde”

Publicidade

Kariotype comemora 25 anos no mundo da comunicação em saúde. Qual tem sido o segredo para se manter no topo?

Carmen Mateo (CM): Chegamos aqui com a emoção do primeiro dia, mas com a força da experiência. Percorremos este caminho tentando ter os melhores profissionais. O desafio diário é tentar ser o melhor para oferecer aos clientes a ajuda de que precisam. E, acima de tudo, nunca desista, esteja atento às suas necessidades, estude bem o caso, e trabalhe, trabalhe e trabalhe mais.

Publicidade

Eles foram pioneiros na atividade de lobby na Espanha…

CM: Isso mesmo. A Cariotipo iniciou o seu percurso como consultora de comunicação, mas de imediato passou a incluir serviços de lobby. Naquela época, a distância entre o decisor político e a empresa era enorme. Os nossos clientes precisavam deste serviço e soubemos desenvolver o conhecimento para prestar um serviço profissional, com transparência e rigor.

Como você consegue fazer esta tarefa complexa com sucesso?

Publicidade

CM: Lobbying é uma atividade complicada onde estratégia, inteligência e informação são fundamentais. No setor de saúde, a questão é mais complicada, já que o tomador de decisão com quem você tem que negociar é o regulador – define o preço de seus produtos – e seu principal cliente. Além disso, qualquer questão relacionada com a saúde tem implicações sociais que deve ter em conta.

Eles são uma empresa familiar. O que isso traz de positivo?

Publicidade

Pepe Fernández-Rúa (P. FR.): Somos uma empresa familiar porque parte da segunda geração assumiu o desafio de adaptar o Kariotype às novas necessidades do mercado. Isso é muito valorizado por nossos clientes, combinando experiência e memória com novas formas de administrar e incorporar tecnologia. Porém, eu e meu irmão passamos quase 12 anos preparando e trabalhando dentro da empresa para que hoje seja possível enfrentar esses desafios.

Jorge Fernández-Rúa (J. FR): Há mais duas coisas: a continuidade, já que o Cariotipo é um projeto de longo prazo e não está mais sujeito à permanência de uma pessoa; e a confidencialidade que mantemos com os clientes, sem renunciar aos princípios de transparência com os quais nos comprometemos.

Como eles fizeram a mudança geracional?

J. FR.: Tem sido um grande desafio. Não importa quantos conselhos eles deem a você, cada família empresária deve encontrar seu caminho. Em uma empresa familiar, a família e a empresa têm uma união íntima, o que afeta um e repercute no outro. Fomos claros sobre a importância do Cariótipo para nossa família. É por isso que todos trabalhamos para torná-la cada dia mais forte e prestigiada.

P. FR.: Foi necessária muita generosidade e paciência de todos nós para realizar um projeto para o qual cada um de nós pode contribuir com o melhor de si e que, ao mesmo tempo, serve de união para o família.

A pandemia fortaleceu a comunicação em saúde ou a carga de trabalho exigente destes meses a enfraqueceu?

P. FR.: Nos últimos dois anos, a saúde ocupou espaços que eram destinados à política, ao esporte…. Também é verdade que com a pandemia o auge dos boatos foi atingido, pois nunca antes tantas notícias falsas foram registradas globalmente.

J. FR.: Há anos a sociedade cobra informações sobre saúde e qualidade de vida, mas a mídia continua com suas estruturas tradicionais. Pouquíssimos, como La Razón, mantêm um suplemento especializado no assunto.

Que desafios temos pela frente?

CM: Continuar a ser uma referência em saúde, tanto no lobby como na comunicação, e aproveitar a nossa trajetória para nos diferenciarmos da concorrência com um trabalho exigente e rigoroso que faz a diferença e conquista a confiança do setor.

Você pode gostar...

Artigos populares...