É assim que se consegue uma farmácia mais eficiente graças à digitalização da rede

Publicidade

O setor farmacêutico espanhol pode se orgulhar de ser um dos mais eficientes do mundo, graças a uma engrenagem perfeitamente consolidada. Porém, Os profissionais de farmácia enfrentam diariamente grandes desafios que colocam em risco o seu trabalho de saúde e a sua solvabilidade financeira, como é o caso da escassez de alguns medicamentos e da venda online de produtos de parafarmácia. Nesse cenário, a tecnologia e as novas ferramentas digitais se apresentam como a solução mais eficiente e capaz de mudar as regras do jogo. Isso foi revelado na mesa redonda realizada na última terça-feira em LA RAZÓN sob o título “Estratégias inovadoras para a digitalização farmacêutica” e na qual participaram diferentes agentes do setor, como Ana de Jorge García, farmacêutica com mais de 27 anos de experiência; Magdalena Colino González, farmacêutica e vice-presidente da Associação de Empresários Farmacêuticos de Madrid, Adefarma; Luis Martín Lázaro, co-fundador da LUDA Partnersa rede digital de farmácias, e Andrea López de Vicuña, desenvolvedora de negócios web 3.0 e no metaverso.

Publicidade

Apesar do fato de que o setor farmacêutico é erroneamente considerado muito tradicional, os profissionais farmacêuticos têm certeza de que entrar na onda da tecnologia é essencial. «Sem soluções digitais não poderíamos prestar o bom serviço que prestamos. Sempre estivemos dispostos a implementar as novas ferramentas que nos foram disponibilizadas, pois isso nos dá velocidade e conectividade essenciais no dia a dia. Sabemos que uma farmácia isolada não tem futuro, mas a verdade é que estamos cada vez mais nos afogando financeiramente, por isso em muitas ocasiões é difícil dar o passo e experimentar essas novas ferramentas “, reconheceu De Jorge García. Prova disso é que, como afirmou Colino González, “os farmacêuticos têm consciência de que a digitalização é algo transcendental no nosso futuro profissional, embora sem esquecer o físico. Estamos abertos a continuar a aprender e prova disso é que em 2017 da Adefarma já detetámos o problema da falta de ligação entre as farmácias».

uma rede interconectada

É aí que uma solução como a oferecida pela LUDAjá que “trata-se uma rede de interligação de farmácias em tempo real. A maior vantagem da farmácia espanhola é a sua capilaridade, com 22.000 farmácias distribuídas por todo o país nacional, com profissionais altamente qualificados e estoque em tempo real de produtos perfeitamente controlados. Isso tem um valor determinante, principalmente agora, quando o consumidor já se acostumou a ter tudo levado para casa. Mas se cada farmácia é uma ilha que não se comunica com as demais, a engrenagem não funciona, por isso a LUDA se propõe a criar uma grande rede nacional de farmácias perfeitamente conectadas entre si graças à tecnologia. E isto vale para tudo, tanto para a falta de medicamentos como para a assistência farmacêutica, venda de parafarmácias…”, explicou Martín Lázaro.

Publicidade

Porque a tecnologia tem tantas facetas quantas são as utilidades que queiram aplicá-la, como insistiu López de Vicuña, que enfatizou que “Juntar todas estas facetas é o que agora se propõe com o Metaverso, onde o farmacêutico terá um papel essencial, pois poderá dar conselhos verdadeiros e fidedignos ao utente, mas de forma interativa e virtual.”

Publicidade

E é que no ADN do farmacêutico está o seu trabalho de cuidado, algo que não se perde com as novas tecnologias, mas, pelo contrário, é potenciado. “As ferramentas digitais nos permitem fornecer essa assistência com muito mais eficiência. Agora nosso grande desafio é a escassez e conseguir encontrar um medicamento que você não tem em apenas alguns minutos e dar uma solução a esse paciente, indicando onde ele pode comprar, nos enche de satisfação”, disse De Jorge García. Mas há também a vertente da informação fidedigna, «algo que vemos também ser promovido, porque já recebemos consultas dos mais novos através de aplicações de mensagens instantâneas ou redes sociais. O paciente tem-nos sempre ao seu dispor e a digitalização é uma ajuda extra para que possamos dar aquele aconselhamento farmacêutico tanto presencial como virtualmente»disse Colino González.

Nesta linha, Martín Lázaro insistiu que “a mais-valia da farmácia é o prestígio que os seus profissionais têm, pelo que as ferramentas digitais facilitam as tarefas repetitivas que tanto tempo lhes ocupam para se dedicarem a este trabalho de cuidado”. Mas, como reconheceu López de Vicuña, «Percebo que existe uma certa relutância em adaptar a digitalização por parte das farmácias, sobretudo para dar o primeiro passo, porque acreditam que envolve um grande esforço de treinamento ou tempo. Porém, o que a tecnologia faz é justamente ajudar e agilizar tudo. Prova disso é que, segundo Martín Lázaro, «das 2.400 farmácias aderentes à rede LUDA, no mês passado fizeram 5.000 encomendas de medicamentos entre uma e outra, o que prova que é uma questão tangencial para eles e algo muito útil. Me enche de orgulho ver com esses dados que nossa ferramenta resolve o dia a dia deles”.

vantagens econômicas

Dadas as dificuldades económicas que as farmácias atravessam, a utilização da tecnologia apresenta-se também como uma janela de oportunidade. “Economicamente é inviável para nós aplicar toda a digitalização que está ao nosso alcance porque custa muito dinheiro”, lamentou De Jorge. No entanto, Martín Lázaro lembrou que “a vantagem da digitalização é que ela é muito democrática. Mas, parafraseando Newton, se você quiser ver mais longe, terá que se apoiar nos ombros de um gigante. E No negócio da venda online, os gigantes são os laboratórios de parafarmácia, mas precisam da boticária local e do seu prestígio para chegar ao cliente final com rapidez e solvência. A união das 22 mil farmácias da rede vai fazer a diferença e tornar essa fórmula imbatível. Não se trata de competir em preço, mas de prestar o serviço que as pessoas pedem, pautado pela agilidade, proximidade e confiança derivadas do prestígio farmacêutico”.

De fato, tanto De Jorge García quanto Colino González aludiram a uma faceta fundamental a esse respeito, “já que Ninguém melhor do que o farmacêutico para conhecer o seu bairro e, assim, adaptar as suas vendas online às necessidades específicas que surgem na sua zona e fornecer informações adicionais que melhorem a saúde dos clientes. E aqui a tecnologia mais uma vez joga a favor do boticário, porque «a análise de todos os dados permitirá ao farmacêutico saber quais os produtos mais procurados, qual a sua sazonalidade e, assim, antecipar ou oferecer produtos personalizados aos seus clientesprestando um serviço de maior qualidade.

O futuro é promissor, mas ainda há grandes desafios a enfrentar, “como a maior formação tecnológica dos farmacêuticos e apostar na homogeneização das ferramentas utilizadas que nos permitem comunicar de forma mais eficaz com os pacientes e com os médicos e a administração”, destacou Colino González. Porque se tem uma coisa que todo mundo concorda é que “A digitalização é imparável e continuará a crescer. E a farmácia tem uma posição privilegiada para aproveitá-la ao máximo”, concluiu Martín Lázaro.

Você pode gostar...

Artigos populares...