Humanos e cães estão mais expostos do que nunca a zoonoses: cuidado neste verão

Publicidade

Na Espanha existem mais de 29 milhões de animais de estimação, segundo dados da Anfaac. O número não para de crescer. De acordo com sua penetração em nossas famílias, Os seres humanos estão mais expostos do que nunca a uma

Publicidade

risco transmissão permanente de doenças ou zoonoses. Daí o desparasitação destes pequenos animais é tão importante para garantir o seu perfeito estado de saúde e também o nosso. Principalmente com a chegada do bom tempo, quando parasitas como carrapatos e mosquitos -transmissores de doenças como leishmaniose e outras zoonoses mais graves, como a doença de Lyme, febre hemorrágica da Crimeia-Congo ou encefalite, multiplicam sua incidência.

Precisamente, doença de lymetransmitida pela picada de um carrapato, tem internações aumentaram exponencialmente em humanos nos últimos anos e estima-se que 200.000 casos sejam diagnosticados a cada ano na Europa. Seus sintomas – febre, cansaço, dor nas extremidades ou uma erupção característica – são frequentemente confundidos com os da gripe, atrasando a detecção e o tratamento. Isso pode causar sérios problemas cardiovasculares ou mesmo no sistema nervoso. Estima-se que nas zonas de risco da Europa (arborizadas e relvadas altas), entre 5% e 40% das carraças estejam infetadas com a bactéria causadora da doença.

O leishmaniose, por sua vez, é outra dessas doenças zoonóticas que podem ser transmitidas de animais para humanos. É endêmica em muitas áreas com climas tropicais ou subtropicais, incluindo países da bacia do Mediterrâneo. Presente em mais de 98 países, todos os anos acrescenta 1,5 a 2 milhões de novos infectados, além de 30.000 mortes. Segundo a OMS, a leishmaniose é a segunda doença mais importante causada por protozoários, superada apenas pela malária.

Publicidade

Em relação à incidência e casos de leishmaniose na Espanha, observa-se uma tendência ascendente nos últimos anos, provavelmente devido a uma origem multifatorial. Mudanças climáticas, viagens entre áreas de alta incidência, migração de pessoas e/ou animais infectados estão entre suas principais causas. Tudo isso nos levou a atingir uma média de 385.000 cães infectados por ano, segundo dados do setor. Quanto mais calor, mais leishmaniose, e espera-se que este verão é o mais quente da série histórica na Espanha.

Publicidade

Isso constitui um problema sério. E é que, historicamente, foi considerada uma doença sazonal. Esta apresentou “picos” de incidência entre os meses de primavera e verão, coincidindo com as épocas de reprodução e máxima atividade dos parasitas que a transmitem.

Porém, o aumento da temperatura devido ao aquecimento global e os fatores citados acima favorecem que a doença está distribuída por todo o país e ao longo do anomesmo em áreas anteriormente consideradas “livres” de leishmaniose canina ou de menor risco.

De acordo com os resultados da vigilância epidemiológica recolhidos pela Labiana, o primeiro laboratório veterinário espanhol cotado na Bolsa, destacam-se: Ilhas Baleares, Ourense, Málaga, Cáceres, Girona, Córdoba, Granada e Alicante como as províncias com as maiores taxas de incidência.

Qual é a solução contra essas doenças?

Os dados de incidência dessas doenças mostram que os planos de controle e as medidas tomadas até agora pelas autoridades competentes e pelos próprios donos de animais, não foram suficientes. É por isso que os especialistas concordam com a implementação de um plano de controle multidisciplinar.

Acontece que, embora hoje existam tratamentos específicos uma vez adquirida a doença, que ajudam a atenuar os sintomas com certo grau de eficácia, sem dúvida a estratégia com maior garantia de sucesso continua a ser a prevençãotanto no controle do principal transmissor da doença quanto em animais de estimação e humanos.

Programas de vacinação são importantes entre as ferramentas utilizadas para essa prevenção. Diferentes estudos mostram que a vacina atualmente usada na Espanha Apresenta uma eficácia de prevenção de 70%-72%, reduzindo por sua vez os seus sintomas.

“No entanto, esta é uma medida insuficiente e não interromperia futuras infecções ou transmissão da doença. Em segundo lugar, e não menos importante, a ação conjunta de antiparasitários (carrapatos, pulgas, mosquitos…) com efeito repelente, como as pipetas de Ataxa e o uso de inseticidas em áreas com alta densidade desses insetos, contribuem para reduzir as taxas de incidência e garantir a saúde de nossos animais de estimação e de nossas famílias”, conclui Labiana.

Você pode gostar...

Artigos populares...