Viver 100 anos em espaços saudáveis

Publicidade

A arquitectura surgiu para responder à necessidade de protecção do ser humano, que abandonou as grutas para construir os seus abrigos em madeira, terra e barro. Milhares de anos volvidos, a Arquitectura tem a responsabilidade de responder aos grandes desafios que a sociedade actual se coloca.

Precisamos de espaços saudáveis ​​e seguros que garantam a saúde e o bem-estar das pessoas. Na década de 1980, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que até 30% dos edifícios novos e reformados do mundo poderiam “gerar um número excessivo de reclamações relacionadas à má qualidade do ar interno”. A OMS cunhou o conceito de “síndrome do edifício doente” como um “conjunto de desconfortos e doenças causados ​​em edifícios”. Poderíamos falar de um edifício doente (ou “doente”) quando provoca um conjunto de sintomas em pelo menos 20% dos seus habitantes.

Publicidade

Algumas patologias das edificações afetam a saúde das pessoas, como as físicas, causadas pela umidade e sujeira, as químicas e as decorrentes da presença de organismos vivos. Os arquitetos, além de evitar essas patologias, podem ajudar a sociedade a ir um passo além, projetando edificações que promovam a saúde de seus usuários; cuidar da configuração dos espaços; ar, iluminação e qualidade da água; nível de ruído, temperatura e umidade; ergonomia, cores ou presença de elementos naturais.

Se tivermos em conta todos estes fatores, estamos a promover o bem-estar físico e mental das pessoas, potenciando as suas capacidades cognitivas e até gerando estados de espírito positivos. Não esqueçamos que passamos em média 90% das nossas vidas em espaços fechados e a responsabilidade sobre quais são esses espaços onde desenvolvemos as nossas experiências, cabe sobretudo ao arquitecto.

Numerosos estudos de universidades e instituições internacionais de prestígio verificam há anos o impacto dos espaços na saúde das pessoas. No entanto, e apesar da experiência da recente pandemia, a Arquitetura Saudável ainda não ocupa o lugar prioritário que deveria ter na agenda pública.

Publicidade

E não temos mais tempo a perder.

Precisamos de espaços saudáveis, seguros e sustentáveis ​​que garantam o equilíbrio entre crescimento econômico, bem-estar social e cuidado com o meio ambiente.

Publicidade

Os espaços em que vivemos e trabalhamos determinam nossa saúde. A arquitetura é também uma expressão do que queremos como sociedade. Todos os prédios que construímos estarão lá por décadas e seus efeitos atingirão pessoas que ainda não nasceram.

Os arquitetos estão comprometidos com os cidadãos do presente e com as gerações futuras. Também com nosso planeta, cujos recursos não são ilimitados. Uma visão holística em que queremos envolver líderes políticos e agentes sociais.

Porque está em jogo a saúde física, mental e social das pessoas e a sobrevivência do planeta. Viver 100 anos com saúde é possível se formos capazes de tomar as decisões adequadas no cuidado individual e em comunidade, construindo nosso mundo sobre os pilares da Arquitetura Saudável.

Há algumas semanas, soubemos que o arquiteto japonês Shigeru Ban ganhou o Prêmio Princesa das Astúrias 2022 de Concord por seus projetos focados em sustentabilidade, ajuda emergencial e impacto social. Já em 2014 recebeu o Pritzker, o maior reconhecimento da disciplina.

Recuperamos uma frase sua que aprofunda a dimensão real da Arquitectura: «Não temos de trabalhar só para os privilegiados, mas para as pessoas».

Teríamos que acrescentar a isso que temos o dever de trabalhar para as gerações futuras e ser, como disse Jonas Salk, imunologista e pai da neuroarquitetura, “bons ancestrais”.

Assinado por:

Sigfrido Herráez é reitor do Colégio Oficial de Arquitetos de Madri

Rita Gasalla é presidente do Observatório para a Arquitetura Saudável

Você pode gostar...

Artigos populares...