tudo começa com uma foto

Publicidade

A radiologia é uma especialidade médica (nome oficial, Radiodiagnóstico) que é acessada via MIR. Utiliza imagens médicas obtidas por meios físicos como raios X, ultrassons ou campos magnéticos para diagnosticar doenças, monitorizá-las e realizar tratamentos minimamente invasivos.

Uma radiografia de tórax para diagnosticar pneumonia; um ultrassom para descartar apendicite; uma tomografia computadorizada (TC) –conhecida como CT–, para monitorar o câncer de cólon; uma ressonância magnética (MRI) da coluna vertebral ou um tratamento “na virilha” para desfazer o coágulo que está causando um acidente vascular cerebral, são exemplos comuns de técnicas radiológicas.

Publicidade

Diferentes profissionais de saúde estão envolvidos em qualquer processo diagnóstico e terapêutico em radiologia; especificamente e com treinamento preciso, os técnicos superiores em diagnóstico por imagem (TSID), que obtêm as imagens do equipamento, e os radiologistas, especialistas em radiologia que analisam, comparam, indicam e utilizam as imagens obtidas pelas técnicas mais adequadas para cada caso particular, somos nós que emitimos os laudos com os diagnósticos médicos radiológicos e realizamos tratamentos sem a necessidade de grandes cirurgias.

Nosso trabalho não é focado apenas na elaboração de laudos, mas somos os especialistas autorizados a decidir qual exame é o mais adequado para cada paciente em particular, como aquele exame é feito e também se o paciente realmente precisa daquele exame ou se não influenciará a gestão da sua doença.

Tudo começa com uma imagem é o lema escolhido pela Sociedade Espanhola de Radiologia Médica (Seram), já que na medicina atual a maioria dos processos médico-cirúrgicos são baseados em técnicas de imagem radiológica.

Publicidade

Embora os pacientes nem sempre vejam nossos rostos (exceto em ultrassom ou tratamentos de radiologia vascular e intervencionista), nós somos os radiologistas que estão por trás dos relatórios de seus TACs, seus raios-x e suas ressonâncias.

Publicidade

Fazer estes relatórios requer um grande conhecimento das doenças, comparando com exames anteriores para ver a evolução do problema, tendo uma grande capacidade de reação para avaliar uma tomografia de um paciente ferido em um minuto, bem como uma grande capacidade de “entrar » no fígado de um paciente e tratar uma metástase.

Por isso, e pela complexidade da medicina atual, é necessária uma grande subespecialização. Na verdade, a maioria dos radiologistas trabalha organizado pelo que chamamos de órgãos-sistemas. Isso significa que existem radiologistas especialistas em radiologia musculoesquelética, radiologia abdominal, radiologia pediátrica, neurorradiologia, tórax-cardio, radiologia feminina ou radiologia vascular-intervencionista. Não só isso, mas há radiologistas dedicados a doenças do fígado, ou tumores cerebrais, ou câncer de pulmão, para dar apenas três exemplos.

Hoje, e devido ao desenvolvimento tecnológico, utilizamos não só a imagem obtida de equipamentos de radiologia, mas também imagens analisadas por computador e inteligência artificial, conhecida como radiômica/radiogenômica, para ir além e por meio de informações não visíveis ao olho humano fornecidas pelas imagens , preveem se um tumor é sensível a um tratamento e não a outro, economizando tempo e dinheiro.

Os doentes com doenças graves saberão que as decisões sobre o seu problema são atualmente tomadas em comissões hospitalares onde estão envolvidos diferentes especialistas, mas onde há sempre um radiologista a explicar as imagens.

As salas de laudos dos serviços de radiologia são visitadas diariamente por muitos colegas de outras especialidades para obtermos nossa opinião sobre o paciente. Portanto, participamos do processo de cuidado em quase todas as doenças.

Da mesma forma, nosso trabalho também é garantir que todas as imagens médicas incluídas no referido processo de atendimento sejam obtidas e gerenciadas nos serviços de radiologia por radiologistas.

Desde que os PACS (sistemas de armazenamento de imagens) foram instalados e aqueles envelopes gigantes contendo os prontuários dos pacientes contendo as radiografias desapareceram, a imagem médica foi “democratizada” e qualquer médico que atenda um paciente pode ver as imagens de tomografia do computador do seu consultório, mas que não lhe permite emitir um diagnóstico radiológico. Portanto, qualquer processo de cuidado (por exemplo, uma dor de cabeça) deve ter a participação do radiologista com seus relatórios e sua avaliação radiológica completa, desde o momento da consulta até a alta médica.

A radiologia é uma vasta especialidade que está envolvida na maioria dos processos de saúde. Por isso, a demanda por especialistas em radiologia, tanto médicos quanto técnicos, não para de crescer. Esse aumento da demanda deve ser acompanhado pelo aumento da capacitação, tanto dos técnicos e residentes, quanto dos radiologistas, que devem estar em constante atualização para oferecer ao paciente o melhor da nossa especialidade.

Você pode gostar...

Artigos populares...