Quimioterapia pré-operatória melhora a sobrevida de pacientes com câncer de pâncreas

Publicidade

Quando a palavra câncer cruza o caminho de uma pessoa, sua vida muda para sempre. E quando esse câncer tem o nome de pâncreas, as esperanças costumam ruir, já que é um dos tumores com pior taxa de sobrevivência, que não excede 25% dos casos cinco anos após a detecção. Isso se deve à dificuldade de diagnóstico e tratamento corretos, sem esquecer que costuma ser uma tipo de tumor muito agressivo, capaz de avançar muito mais rápido do que outros carcinomas. Porém, há espaço para a esperança.

Publicidade

agora um novo estudo em pacientes com câncer de pâncreas ressecável limítrofe mostrou que a quimioterapia combinada antes da cirurgia aumentou a sobrevidacomo confirma pesquisa do MD Anderson Cancer Center da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, publicada na revista “JAMA Oncology”.

O ensaio clínico multicêntrico randomizado de Fase II Alliance A021501, que faz parte da Rede Nacional de Ensaios Clínicos do National Cancer Institute, estabeleceu que o Folfirinox pré-cirúrgico ou neoadjuvante é o tratamento mais benéfico para esses pacientes. Especificamente, os pacientes que receberam esta opção tiveram um Taxa de sobrevida global (OS) de 18 meses de 66,7%excedendo a taxa de controle histórico pré-selecionada de 50% e a taxa de OS de 47,3% em pacientes que receberam essa alternativa seguida de radioterapia.

Publicidade

“Há um papel claro para a administração de quimioterapia sistêmica no ambiente perioperatório para esta população de pacientes”, explica o investigador principal, Mateus Katzpresidente da Sociedade de Oncologia Cirúrgica. “Esta pesquisa demonstra que os tumores pancreáticos que parecem envolver grandes vasos sanguíneos podem ser removidos com segurança após Folfirinox com resultados favoráveis”acrescenta o pesquisador.

Publicidade

Câncer de pâncreas

Os pacientes diagnosticados com câncer pancreático limítrofe ressecável têm tumores envolvendo os principais vasos sanguíneos abdominais. A remoção desses tumores requer operações complexas e nem todos os pacientes se beneficiam. Sem tratamento prévio, o câncer geralmente reaparece logo após a operação. A terapia neoadjuvante é usada tanto para tratar a doença quanto para selecionar pacientes para os quais a cirurgia provavelmente será mais eficaz.

Quimioterapia e radioterapia são frequentemente usadas no cenário de ressecção limítrofe de cânceres pancreáticos., mas o esquema ideal tem sido objeto de debate. Apesar de vários estudos de radiação nas últimas duas décadas, os dados que sustentam essa terapia no cenário neoadjuvante são conflitantes e seu papel permanece ambíguo.

O objetivo deste estudo foi avaliar dois esquemas neoadjuvantes para câncer pancreático limítrofe ressecável: um com quimioterapia Folfirinox isolada (fluorouracil [5-FU], leucovorina, irinotecano, oxaliplatina) e outro em quimioterapia sistêmica seguida de radioterapia estereotáxica corporal (SBRT). O objetivo era estabelecer um ou ambos os tratamentos como padrões de cuidado e identificar pilares terapêuticos aos quais adicionar novos agentes em ensaios futuros.

O estudo incluiu 126 pacientes tratados em 50 centros nos Estados Unidos, randomizados para receber terapia sistêmica (70 pacientes) ou terapia sistêmica e radioterapia hipofracionada sequencial (56 pacientes). Ambos os regimes foram bem tolerados. “Dados os resultados deste estudo, acreditamos que todos os pacientes com tumores descritos como limítrofes ressecáveis ​​devem ser tratados com quatro meses de Folfirinox em antecipação a uma pancreatectomia subsequente”, enfatiza Katz, que insiste que “esses dados fornecem a base para a construirá estudos futuros para câncer pancreático limítrofe ressecável e fornecerá melhores tratamentos e resultados para nossos pacientes”.

Você pode gostar...

Artigos populares...