Desafios na evolução e tratamento da insuficiência cardíaca

Publicidade

A insuficiência cardíaca (IC) é uma doença crônica e degenerativa que consiste na incapacidade do coração de bombear sangue suficiente, de forma que as necessidades de outros órgãos não sejam supridas.

Publicidade

Na Espanha, entre 4,7% e 6,8% das pessoas com mais de 45 anos sofrem desse problema, chegando a 16% nas pessoas com mais de 75 anos. A nível geral, a doença afeta 1,9% da população adulta, o que se traduz em cerca de 800.000 doentes com insuficiência cardíaca atualmente no nosso país. É também a principal causa de internação em pacientes com mais de 65 anos, representando 3% de todas as internações hospitalares.

Publicidade

Fatores como idade, sexo feminino, pior classe funcional, maior comorbidade e internação recente por insuficiência cardíaca crônica descompensada são fatores diretamente relacionados à pior qualidade de vida relacionada à saúde.

Publicidade

O diagnóstico de insuficiência cardíaca traz um risco clínico intrínseco de hospitalização e morte para o paciente, que se agrava com a progressão da doença. Além disso, a cada internação que ocorre, aumenta o risco de reinternações hospitalares e morte.

Supone también la progresión de la enfermedad, que conduce a un deterioro irreversible de la calidad de vida, genera situaciones de estrés, nuevas hospitalizaciones y más muertes, entrando en un círculo vicioso de deterioro clínico-funcional, y su enfermedad empeora progresivamente a lo largo do tempo.

Nesse contexto, torna-se fundamental evitar novas internações hospitalares e reduzir a mortalidade após um episódio de piora, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida, pois aqueles pacientes com insuficiência cardíaca que conseguem se estabilizar e obter um bom controle da doença cardíaca conseguem evitar hospitalizações e prevenir a deterioração irreversível de sua qualidade de vida. Portanto, é essencial desenvolver estratégias e diretrizes de ação para estabilizar os pacientes desde o momento da alta e evitar reinternações hospitalares, focando também na atuação da enfermagem na educação do paciente e atribuindo à atenção primária um papel essencial no manejo desses pacientes.

Retardar o agravamento do doente com insuficiência cardíaca desde a alta do primeiro internamento pode fazer a diferença, quer em internamentos evitados, qualidade de vida e mortalidade, quer na promoção da sustentabilidade dos recursos disponíveis. Assim, um acompanhamento adequado dos pacientes em centros especializados que permita sua estabilização, redução de internações e melhora do prognóstico são fundamentais para melhorar a qualidade de vida desses pacientes.

Este processo de mudança requer diferentes fases para ser tratado de forma eficiente, pelo que o objetivo primordial deve ser o de abordar a situação dos doentes com maior percentagem de reinternações. Investir em estratégias que previnam os internamentos por insuficiência cardíaca implica muitos benefícios, desde a melhoria da perceção do doente sobre o seu estado de saúde até à melhoria da sustentabilidade do Sistema Nacional de Saúde.

Quanto custa ao Sistema Nacional de Saúde?

►As admissões e reinternações representam três quartos do custo total da IC e apresentam maior risco de colapso hospitalar.

►65% do custo da insuficiência cardíaca corresponde a 15% dos pacientes, principalmente pacientes que são reinternados.

►Cada ano na Espanha, a IC custa mais de 18.000 euros por paciente, variando de 13.000 euros em pacientes sem internação a 40.000 euros em pacientes reinternados. Este é um aumento de custo de 300% associado a readmissões.

►A nível nacional, o custo dos doentes readmitidos ascende a mais de mil milhões de euros por ano.

Você pode gostar...

Artigos populares...