A mulher incapaz de sentir dor e ansiedade, chave no desenvolvimento de novos medicamentos

Publicidade

Jo Cameron nunca senti necessidade de tomar analgésicos porque praticamente nunca sentiu dor física. Esta é uma das razões pelas quais uma nova pesquisa sugere que esta mãe escocesa de dois filhos pode ser uma figura chave no desenvolvimento de novos medicamentos deste tipo.

Publicidade

Ela é uma das duas únicas pessoas conhecidas no mundo a carregar uma dupla mutação genética que lhe permite viver quase sem desconforto. Além disso, é capaz de curar mais rápido e sentir menos ansiedade e medo. Foi em 2019 que seu caso extraordinário foi revelado, quando os médicos não acreditaram que ele não precisava de analgésicos após passar por uma delicada operação aos 65 anos. Desde então, Cameron tem sido estudado. E agora uma equipe da University College London desvendou por que seu mecanismo molecular o torna quase “insensível” (e invencível). As descobertas, publicadas no The Brain, são um farol de esperança para criando analgésicos mais eficazes ou novos tratamentos para a depressão.

O estudo analisa o gene FAAH-OUT e as raras mutações que fazem com que Jo Cameron quase não sinta dor ou pânico. Em linhas gerais, descreve como essa mutação “desativa” a versão normal do gene FAAH e afeta outras vias moleculares associadas com a cicatrização de feridas e o humor. Espera-se que os resultados levem a novos alvos de drogas e abram linhas inovadoras de pesquisa nesses campos.

Publicidade

“A descoberta inicial da raiz genética do fenótipo único de Jo Cameron foi um momento eureka e extremamente emocionanteMas com as descobertas atuais é quando as coisas começam a ficar realmente interessantes”, disse o professor James Cox, da University College London School of Medicine e principal autor do estudo, em um comunicado à imprensa. “Ao entender precisamente o que acontece no nível molecular, nós pode começar a entender a biologia envolvida, e isso abre possibilidades para a descoberta de drogas que um dia podem ter impacto positivo de longo alcance para os pacientes”, diz.

Publicidade

Cameron, que hoje tem 74 anos e mora em Whitebridge, perto de Inverness, na Escócia, com o marido Jim, só descobriu sua singularidade há uma década. Depois de passar por uma cirurgia no quadril e na mão, ela não sentiu nada. Nem ele quando foi diagnosticado com degeneração articular grave neste osso. “Eu sabia que ele era uma pessoa feliz, mas não sabia que era diferente. Achei que era só eu”, confessa Cameron, “não sabia que algo estava errado comigo até os 65 anos”.


Jo Cameron com o marido e a filha
Jo Cameron com o marido e a filha a razão

Foi em 2013, quando a equipe da University College London identificou a variante genética chamada FAAH-OUT. “O gene FAAH-OUT é apenas um pequeno canto de um vasto continente, que este estudo começou a mapear”, explica o principal autor, Dr. Andrei Okorokov. “Como cientistas, é nosso dever explorar, e acho que Essas descobertas terão implicações importantes em áreas de pesquisa como cicatrização de feridas, depressão e outras.

Antes das investigações desta equipe, a região do genoma contendo FAAH-OUT era considerada DNA “lixo” nenhuma função importante, mas foi encontrado para controlar a expressão de FAAH, um gene que faz parte do sistema endocanabinoide que regula sensações de dor, estresse, algumas emoções ou memória.

A condição, conhecida como analgesia congênita, pode ser perigosa porque a dor serve como um sinal de alarme. Sua combinação genética também a torna um tanto esquecida. No entanto, os médicos especulam que Cameron vai se curar mais rápido do que uma pessoa normal. “Não tenho adrenalina. Deveria ter essa ressalva; faz parte do ser humano… mas eu não mudaria isso”, revela.

Você pode gostar...

Artigos populares...