Estratégia nacional contra a solidão involuntária

Publicidade

É importante lembrar, sem nenhuma intenção de fazer gols, que há quatro anos, agora no câmera alta, em interpelação que fiz como porta-voz da Saúde em nome do meu grupo parlamentar ao Ministro Illa, levantei a questão em questão. By the way, com sucesso zero, não em vão o Ministério da Saúde mudou de gerente cinco vezes em quatro anos.

nós chamamos isso “Ministério do Transporte”, porque seus responsáveis ​​foram para outros cargos e outras responsabilidades políticas. Assim, não é possível levar a sério qualquer plano nacional.

Publicidade

Não é menos verdade que pedimos para criar (a custo zero) um direito autoral na Câmara porque, muitas vezes, Sanchismo tem o péssimo hábito de copiar sem mencionar o autor das ideias. Também algumas teses de doutorado às quais aconteceu a mesma coisa, aguardando esclarecimentos.

O solidão involuntária ou indesejada, que se agravou manifestamente na pandemia, é um dos mais importantes problemas sociais que este país enfrenta com repercussões em muitas e muito diversas áreas. Surpreendentemente, pelos vários motivos já mencionados, nada foi feito desde a governo central e está tendo consequências muito graves tanto físico como mental e saúde a nível geral. Sabe-se também empiricamente, porque não há registo, que está a afetar milhões de cidadãos, geralmente mais velhos, mas também jovens. já estamos vendo isso não respeita idade.

Além disso, no pandemia -embora a OMS (e nós somos membros da Comitê Executivo sem direito a voto) se pronunciou sobre o cessação da emergência de saúde global (Covid)- Essa solidão involuntária ou indesejada foi devastadora, com agravamento de muitas patologias importantes que ainda não foram bem avaliadas.

Publicidade

Em outros países como Japão, Alemanha ou Inglaterra já estão tratando como problema de estadochegando a criar um ministério específico para a estratégia e prevenção dos graves problemas desencadeados pela solidão involuntária. Localismos não são válidos.

Publicidade

O mesmo vale para os outros assuntos de estado (infelizmente não tratadas pelo actual governo), como a estratégia nacional de prevenção do suicídio, excedente alimentar, reconstrução psicológica pós-pandemia, etc. E assim entramos em um “círculo vicioso” que é alimentado de volta

Estima-se que este mal nos custe 14.000 milhões de euros”

A isto se soma a demografia de nossos países, outra das problemas muito sérios não tratados corretamente. Ter demografia negativao que torna a Espanha um país claramente envelhecido (é uma conquista social que não deve se tornar um problema).

23% da população espanhola tem 65 anos ou mais. e, tendo ganho 17 anos de vida nas últimas quatro décadas, de forma irresponsável, se aposenta por obrigação e, além disso, também o talento. Isso não é feito por nenhum outro país desenvolvido no mundo. Tal coquetel explosivo contra o qual nenhuma ação de qualquer tipo está sendo tomada. Tornou-se um grave problema crônico de fome.

Um governo irresponsável hipertrofiadocom um presidente com mais de 800 assessores em Moncloa, não conseguiu aplicar a estratégia nacional para resolver o problema da solidão.

Não há um plano específico para incentivar o nascimento, acentuando com a legislação vigente mais de 150.000 interrupções voluntárias da gravidez. Uma contradição que não pode continuar assim. Aqui não vale dizer que é responsabilidade do Comunidades autonomas, Não. A responsabilidade é do governo central porque não pode ser delegada, a gestão é outra coisa.

O que fazer? Bem, com o evidência científica em mãos, estabelecer protocolos de atuação, após registro nacional em colaboração com Prefeituras e Comunidades autonomaso que permite tomar as medidas adequadas, definidas nos manuais de ação desta patologia.

É verdade que “do que se vê, só se vê o que se conhece”; É precisamente aí que reside um dos graves problemas da gestão deste país. Saber.

Está tudo bem, você não pode continuar olhando para o outro lado e apenas fazer instruções “patch” ineficazes. Um cálculo econômico feito pelas autoridades competentes nos diz que essa solidão involuntária ou indesejada, além dos problemas já descritos nestas linhas, nos custa 14.000 milhões por ano de euros.

PARE Solidão indesejável. Este país não merece tamanha falta de jeito, despreparo e populismo em questões de saúde. Com coisas para comer não é jogado. Chega!

Você pode gostar...

Artigos populares...