A terceira punção contra a covid reduziu o risco de contágio em Espanha em 51% com a Ómicron

Publicidade

Praticamente todos nós conhecemos alguém que, apesar de ter tomado a terceira dose, se infectou com a covid. No entanto, esta não era a norma, como conclui um estudo do Instituto de Saúde Carlos III (ISCIII) publicado na “The Lancet Infectious Diseases”.

Pesquisadores demonstraram que a dose de reforço contra SARS-CoV-2 com vacinas de RNA mensageiro permitiu uma redução de 51% no risco de infecção na Espanha durante a sexta onda causada pela variante Omicron.

Publicidade

O aparecimento e expansão da variante Ómicron deu origem a uma sexta vaga com maior incidência de covid registada em Espanha, cujo pico foi atingido durante o mês de janeiro de 2022, recorda o ISCIII em comunicado.

Os resultados desta investigação sugerem que a administração da terceira dose foi uma estratégia importante para limitar os efeitos da sexta onda.

Para chegar a esta conclusão, os pesquisadores analisaram dados de mais de quatro milhões de pessoas com mais de 40 anos entre 1º de janeiro e 6 de fevereiro de 2022.

Publicidade

As pessoas com vacinação primária completa foram acompanhadas e o risco de infecção foi comparado entre aqueles que receberam uma dose de reforço e aqueles que não receberam.

A investigação tem sido liderada por Susana Monge, do Centro Nacional de Epidemiologia (CNE-ISCIII), e mais investigadores deste centro, das áreas de Saúde Pública e Infecciosas do CIBER-ISCIII, do Ministério da Saúde e da Harvard School de Saúde Pública, em Boston (Estados Unidos).

Publicidade

Os autores do estudo usaram três registros nacionais como fontes de dados: o registro de vacinação RegVacu, o registro de resultados laboratoriais do Serlab e o banco de dados do cartão de saúde do Sistema Único de Saúde.

Usando um desenho de coorte que simula os procedimentos de um ensaio clínico, comparou-se o risco de infecção entre pessoas com e sem a terceira dose, dependendo da idade, sexo, tipo de vacina recebida na primovacinação, tipo de vacina recebida como reforço doses e tempo entre a primovacinação completa e a administração do ‘reforço’.

Este procedimento e as fontes de dados utilizadas permitem, segundo o ISCIII, que os resultados sejam significativos e representativos à escala nacional.

Base para novos estudos

Embora essa redução de risco de 51% possa parecer distante dos resultados obtidos nas primeiras rodadas de vacinação, sua interpretação deve ser feita no contexto de transmissão viral muito alta, evidenciada pelo período de circulação do vírus variante omicron. Consequentemente, o benefício absoluto estimado em termos de casos evitados foi muito alto.

De fato, durante o período de estudo, eleAs doses de reforço preveniram 1.860 infecções para cada 100.000 pessoas que as receberam; Em outras palavras, eles preveniram cerca de uma infecção para cada 54 pessoas que os receberam.

O estudo analisou a proteção conferida durante os primeiros 34 dias após a administração da dose de reforço, pelo que a evolução deste efeito deve ser analisada e acompanhada em estudos posteriores.

Outros resultados refletidos no artigo indicam que a proteção conferida pela dose de reforço é ligeiramente maior com a vacina comercializada pela empresa Moderna do que com a da Pfizer. E reforça, segundo o ISCIII, o uso combinado de diferentes vacinas. E mostra que a proteção vacinal é maior quando a vacinação primária foi realizada com vacinas Moderna ou AstraZeneca do que com Janssen ou Pfizer.

O conhecimento gerado após a administração das primeiras doses das vacinas também sugere que a eficácia da dose de reforço na prevenção de internações e mortes por Covid-19 é igualmente relevante. No entanto, este será o objetivo de pesquisas futuras.

Além do mais, a duração da proteção do reforço ao longo do tempo precisará ser estudada.

Você pode gostar...

Artigos populares...