As mulheres experimentam mais alterações cerebrais após a menopausa

Publicidade

Mulheres na pós-menopausa podem ter mais biomarcadores cerebrais chamados hiperintensidades da substância branca do que mulheres na pré-menopausa ou homens da mesma idade, de acordo com um novo estudo publicado esta semana na Neurology, a revista médica da Academia Americana de Neurologia.

As hiperintensidades da substância branca são pequenas lesões visíveis em exames cerebrais que se tornam mais comuns com a idade ou com pressão alta descontrolada.

Publicidade

Esses biomarcadores cerebrais foram associados em alguns estudos ao aumento do risco de derrame, doença de Alzheimer e declínio cognitivo.

“As hiperintensidades da substância branca aumentam à medida que o cérebro envelhece e, embora tê-las não signifique que uma pessoa desenvolverá demência ou sofrerá um derrame, quantidades mais altas podem aumentar o risco de uma pessoa”, explica a autora do estudo, Dra. Monique MB Breteler, do alemão Centro de Doenças Neurodegenerativas (DZNE), na Alemanha.

“Nosso estudo – continua – examinou o papel que a menopausa pode ter nas quantidades desses biomarcadores cerebrais. Nossos resultados indicam que as hiperintensidades da substância branca evoluem de maneira diferente em homens e mulheres, e que a menopausa ou fatores que determinam quando a menopausa começa, como variações no processo de envelhecimento, são fatores determinantes”.

Publicidade

O estudo envolveu 3.410 pessoas com idade média de 54 anos. Destes, 58% eram mulheres, e das mulheres, 59% eram pós-menopáusicas. Além disso, 35% de todos os participantes tinham pressão alta.

Publicidade

Todos os participantes foram submetidos a exames cerebrais de ressonância magnética. Os investigadores calcularam o número de hiperintensidades da substância branca para cada participante. O volume total médio desses biomarcadores cerebrais foi de 0,5 mililitros (ml). O volume cerebral total médio foi de 1.180 ml para homens e 1.053 ml para mulheres. O volume médio total de substância branca, área do cérebro onde se encontram as hiperintensidades da substância branca, foi de 490 ml para homens e 430 ml para mulheres.

Depois de ajustar a idade e os fatores de risco vascular, como pressão alta e diabetes, os pesquisadores descobriram que as mulheres na pós-menopausa tinham mais desses biomarcadores cerebrais em comparação com os homens da mesma idade.

Em pessoas com 45 anos ou mais, as mulheres na pós-menopausa tiveram um volume total médio de hiperintensidades de substância branca de 0,94 mL, em comparação com 0,72 mL para os homens.

E é que o aumento dos biomarcadores cerebrais acelerou com a idade e em um ritmo mais rápido nas mulheres do que nos homens.

Mulheres na pré-menopausa e homens de idade semelhante não diferiram no número médio de hiperintensidades da substância branca.

Os pesquisadores também descobriram que as mulheres na pós-menopausa tinham mais hiperintensidade da substância branca do que as mulheres na pré-menopausa da mesma idade. Em um grupo de participantes com idades entre 45 e 59 anos, as mulheres na pós-menopausa tiveram um volume total médio de hiperintensidades de substância branca de 0,51 mL, em comparação com 0,33 mL para mulheres na pré-menopausa.

Não houve diferenças entre mulheres na pós-menopausa e na pré-menopausa usando terapia hormonal. Razão pela qual Breteler disse que esse achado pode ser porque a terapia hormonal após a menopausa pode não ter um efeito protetor no cérebro.

Sem relação com o status da menopausa, as mulheres com pressão alta descontrolada apresentaram quantidades maiores desse biomarcador cerebral em comparação com os homens.

Você pode gostar...

Artigos populares...