Vacinação em adultos, chave para um envelhecimento saudável

Publicidade

O envelhecimento da população é uma realidade que implica desafios inevitáveis ​​a todos os níveis, incluindo a prevenção do colapso e saturação do sistema de saúde no futuro. Acrescentar saúde aos anos de vida da população torna-se um objetivo prioritário para o qual é essencial vacinar os adultos. É o que revelaram os principais especialistas no encontro “Vacinas para um envelhecimento saudável”, organizado pelo Observatório da Saúde, com o apoio da GSK.

Publicidade

E é isso, como ele explicou Isabel Jimeno, chefe do Grupo de Vacinas da Sociedade Espanhola de Médicos Gerais e de Família (SEMG)“A vacinação em todas as fases da vida é essencial para uma vida saudável e para um envelhecimento saudável, uma vez que não só previne certas doenças, mas também previne as complicações, sequelas, incapacidades e mortes associadas a essas doenças”.

De acordo com Alfredo Corell, Professor de Imunologia da Universidade de Valladolid, “homens e mulheres com mais de 60 anos experimentam um declínio no funcionamento de suas defesas que os torna especialmente suscetíveis a doenças infecciosas”. Por isso, “vacinar-se é de suma importância para ajudar na prevenção de doenças como gripe, herpes zoster ou covid que podem implicar em riscos à vida e à qualidade de vida”. Assim, “assim como trabalhamos para incentivar uma melhor alimentação, exercício físico, apoio emocional ou evitar o consumo de substâncias tóxicas; É importante que os idosos estejam com a vacinação em dia.

No entanto, ao contrário da vacinação infantil, a cobertura em adultos é baixa. De acordo com Guadalupe Fontán, coordenadora do Instituto de Pesquisa em Enfermagem do Conselho Geral de Enfermagem“a população desconhece e, por isso, tem uma baixa perceção do risco de doenças evitáveis ​​nos maiores de 65 anos, pelo que se deve promover a formação para promover o conhecimento, desmantelar os embustes e promover a confiança de todos”.

Publicidade

Tradicionalmente, segundo Ángel Gil, Professor de Medicina Preventiva e Saúde Pública da Universidade Rey Juan Carlos, «o enfoque da prevenção tem-se centrado na cronicidade, deixando de lado a prevenção primária; Por isso, é fundamental promover o uso das ferramentas preconizadas pelas autoridades de Saúde Pública que previnem doenças e afetam diretamente a manutenção da qualidade de vida ao longo do tempo.

Publicidade

É especialmente importante garantir que essa imunização chegue efetivamente à população adulta com fatores de risco. Foi assim que ele expôs Carmen Román Ortiz, preventiva do Hospital La Mancha Centroque defendeu “a formação contínua com o objetivo de promover a vacinação por ser uma medida segura, eficaz e necessária para evitar que sofram infeções, melhorar a sua qualidade de vida e facilitar a continuidade dos seus tratamentos”.

Melhoria

Na sequência da recente aprovação do novo calendário de vacinação vitalícia pelo Conselho Interterritorial, que inclui como novidade a vacina contra herpes zoster para maiores de 65 anosas comunidades finalizam estratégias que melhoram a cobertura em adultos.

De acordo com Elena Andradas, Diretora de Saúde Pública da Comunidade de Madrid“a vacinação de adultos é um dos melhores investimentos em saúde e já lançamos novos programas contra herpes zoster e pneumococo para reduzir o impacto dessas patologias na qualidade de vida, internações e perda de autonomia no maior número possível de pessoas.

Castilla y León também tem um programa de imunização inovador que inclui a vacina contra herpes zoster e a vacina pneumocócica melhorada em coortes de adultos, com cobertura muito alta. Um mérito que, nas palavras de Sonia Tamames, diretora de Saúde Pública da Junta de Castilla y León, «corresponde a atribuir à população que valoriza muito positivamente os programas de prevenção». No entanto, considera necessário “insistir na educação para melhorar a percepção das vacinas como ferramenta de antecipação da doença”.

Lançar campanhas de sensibilização e recrutamento ativo são alguns dos desafios em Castilla-La Mancha. Dele Diretor de Saúde Pública, Juan Camacho, mostraram o compromisso dessa região com a imunização e o esforço econômico que vêm realizando. E é isso, “o objetivo é aproveitar a tendência gerada após a pandemia e o conhecimento atual sobre o valor das vacinas para continuar caminhando na direção certa”. Entre seus objetivos de melhora mais imediatos, ele citou a próxima incorporação da vacina contra herpes zoster.

O papel crescente da população adulta nas políticas de Saúde Pública já é uma realidade nas Canárias, como explicou. José Juan Alemán, diretor geral de Saúde Pública nas ilhas. Especificamente, as Ilhas Canárias estariam desenvolvendo uma estratégia de envelhecimento ativo, na qual “as vacinas desempenham um papel especial”. O programa procura implementar ferramentas para equiparar a cobertura alcançada na infância à fase adulta, apostando em programas de formação e sensibilização.

Você pode gostar...

Artigos populares...