“O jejum intermitente ainda não demonstrou alcançar um efeito antitumoral”

Publicidade

1. O jejum intermitente é recomendado quando você tem câncer?

O jejum intermitente para a população em geral e mais especificamente para pacientes com câncer carece de evidências científicas baseadas em estudos clínicos para recomendá-lo. Além disso, é importante transmitir à população que não é seguro para nenhum cidadão e todo paciente oncológico deve consultar seu oncologista antes de realizá-lo.

Publicidade

2. Quais são suas vantagens e desvantagens mais notáveis?

A vantagem mais conhecida está relacionada à redução do sobrepeso, obesidade e doenças relacionadas a estes como diabetes, hipertensão, excesso de colesterol e outras doenças cardíacas.

Além disso, durante os períodos de jejum, os marcadores de inflamação relacionados ao dano celular e ao câncer diminuem.

Publicidade

É importante lembrar que a melhor manobra em geral e aquela cujos benefícios para o controle de peso são mais conhecidos é seguir uma alimentação saudável, rica em frutas e vegetais e pobre em alimentos industrializados e hipercalóricos. A dieta mediterrânea demonstrou suas propriedades antitumorais em múltiplas investigações.

Publicidade

3. Existem pacientes com câncer que não devem fazer jejum intermitente?

O mais importante é saber que não pode ser recomendado, com base em evidências científicas, para pacientes com câncer que buscam um efeito antitumoral que o jejum intermitente ainda não demonstrou alcançar.

Pacientes com caquexia (definhamento) de câncer, extremamente magros ou frágeis, diabéticos ou com doença hepática ou renal não devem fazer jejum intermitente. Esses pacientes em períodos de jejum correriam o risco de não obter energia dos depósitos.

4. Existe alguma evidência que possa ajudar a reforçar a eficácia de tratamentos como quimioterapia, imunoterapia e terapia hormonal?

Especula-se sobre o efeito antioxidante, anti-inflamatório e seu benefício em relação ao tratamento do câncer, mas isso não foi demonstrado por nenhum estudo experimental ou observacional.

5. E antes do câncer, o jejum intermitente pode ajudar a prevenir o câncer, como afirmam seus defensores?

O efeito conhecido do jejum intermitente na redução do risco de câncer não está estabelecido. Tem sido atribuído ao controle do excesso de peso e à redução de processos inflamatórios. No entanto, isso não foi demonstrado por meio de ensaios clínicos ou outros estudos, portanto, carece de rigor científico para sua recomendação na prevenção do câncer.

Atualmente, há evidências suficientes para recomendar uma dieta saudável e estilo de vida com exercícios físicos diários, cessação do tabagismo e consumo de álcool, como ações mais eficazes contra o câncer.

Você pode gostar...

Artigos populares...