O órgão vital mais afetado por não ter uma boa higiene oral

Publicidade

A boca é a porta de entrada dos alimentos e também das bactérias. Portanto, é essencial manter uma boa higiene e visitas regulares ao dentista. Uma boa escovação após cada refeição nem sempre é suficiente e é necessário ir ao temido consultório do dentista pelo menos uma vez ao ano.

A falta ou má higiene da boca pode causar cáries e perda de peças dentárias, com o custo que isso acarreta, mas também pode causar sérios problemas de saúde.

Publicidade

A primeira consequência é o aparecimento do tártaro, uma camada de placa bacteriana que se forma sobre os dentes, na borda das gengivas e sob elas. Uma das consequências desse acúmulo de bactérias é a inflamação da gengiva, que pode causar periodontite, que eventualmente causa a formação de bolsas entre as gengivas e os dentes que são preenchidas com placa bacteriana, tártaro dental e bactérias. Com o tempo, essas bolsas se aprofundam e acumulam mais bactérias. Além disso, a periodontite pode levar a mau hálito, sangramento e perda de dentes.

Mas não para por aí porque, como revelou um grupo de pesquisadores da Universidade de Hiroshima (Japão), também pode colocar nossas vidas em risco. Seu trabalho, publicado na revista científica “JACC: Clinical Electrophysiology”, alerta que a periodontite pode causar problemas cardíacos graves.

Assim, os pesquisadores encontraram uma relação direta entre periodontite e fibrose (cicatrização de um apêndice do átrio esquerdo do coração que pode causar um batimento cardíaco irregular chamado fibrilação atrial) em uma amostra de 76 pacientes com cardiopatia.

“A periodontite está associada à inflamação de longa data, e a inflamação desempenha um papel fundamental na progressão da fibrose atrial e na patogênese da periodontite. fibrilhação auricular. Nossa hipótese era que a periodontite exacerba a fibrose atrial. Este estudo histológico dos apêndices atriais esquerdos visava esclarecer a relação entre o estado clínico da periodontite e o grau de fibrose atrial”, comentou o primeiro autor do estudo, Shunsuke Miyauchi.

Os apêndices atriais esquerdos dos pacientes foram removidos cirurgicamente e os pesquisadores analisaram o tecido para correlacionar a gravidade da fibrose atrial com a gravidade da doença periodontal.

Publicidade

Eles descobriram que quanto pior a periodontite, pior a fibrose, sugerindo que a inflamação das gengivas pode intensificar a inflamação e a doença no coração.

“Este estudo fornece evidências básicas de que a periodontite pode agravar a fibrose atrial e constituir um novo fator de risco modificável para fibrilação atrial”, disse ele. Yukiko Nakano, autor do estudo e professor de Medicina Cardiovascular na Faculdade de Ciências Biomédicas e da Saúde da Universidade de Hiroshima.

Publicidade

Segundo Nakano, além de aprimorar outros fatores de risco, como peso, níveis de atividade e uso de tabaco e álcool, o cuidado periodontal pode ajudar no tratamento abrangente da fibrilação atrial.

No entanto, ele alertou que este estudo não estabeleceu uma relação de causa e efeito, o que significa que, embora os graus de gravidade da doença gengival e da fibrose atrial pareçam estar conectados, os pesquisadores não descobriram que um leva definitivamente ao outro.

“Mais evidências são necessárias para estabelecer que a periodontite contribui causalmente para a fibrose atrial e que o cuidado periodontal pode alterar a fibrose. Um de nossos objetivos é confirmar que a periodontite é um fator de risco modificável para fibrilação atrial. e promover a participação de especialistas em odontologia no tratamento integral da fibrilação atrial”, afirmou Nakano.

A periodontite é um alvo facilmente modificável e menos dispendioso entre os fatores de risco conhecidos para fibrilação atrial. Assim, a realização desta série de estudos pode trazer benefícios para muitas pessoas ao redor do mundo.

Em seguida, os pesquisadores adiantaram que esperam realizar futuros ensaios clínicos para esclarecer se a intervenção periodontal reduz a ocorrência de fibrilação atrial e melhora os resultados dos pacientes.

A importância de manter as gengivas saudáveis ​​é vital porque também está ligada a outros problemas como Alzheimer, disfunção erétil ou pressão arterial.

Como a inflamação das gengivas afeta a doença de Alzheimer

Uma nova pesquisa publicada na revista científica ‘Frontiers in Aging Neuroscience’ encontrou uma ligação entre um tipo comum de bactéria associada à doença periodontal e à doença de Alzheimer.

as bactérias ‘Fusobacterium nucleatum‘ afeta as gengivas e o osso maxilar e, se não for tratado, leva à instabilidade e perda dentária. Nos últimos anos, tem sido associada a condições que vão desde o câncer colorretal até o nascimento prematuro de bebês.

Como puderam descobrir os cientistas da Universidade de Tufts (Estados Unidos), o ‘Fusobacterium nucleatum’ pode gerar inflamação sistêmica e até infiltrar-se nos tecidos do sistema nervoso e exacerbar os sinais e sintomas do mal de Alzheimer. Além disso, pode levar a uma inflamação generalizada grave, que é um sintoma de muitas doenças crônicas, incluindo diabetes tipo 2 e Alzheimer.

Influência da periodontite na pressão arterial

A inflamação sistêmica das gengivas pode ser o fator determinante que relaciona a doença periodontal e a hipertensão arterial. Isso é confirmado por um novo estudo, publicado recentemente no ‘Journal of Internal Medicine’ e liderado por pesquisadores da Faculdade de Odontologia da Universidade Internacional da Catalunha (Barcelona) e do Eastman Dental Institute da University College London.

Os resultados de um estudo anterior do mesmo grupo confirmaram a relação entre periodontite e hipertensão; no entanto, os mecanismos subjacentes à associação entre essas duas doenças não foram previamente investigados. Agora foi confirmado que a periodontite está intimamente ligada à hipertensão e a inflamação sistêmica é amplamente um mediador dessa associação.

Você pode gostar...

Artigos populares...