Estes são “os assassinos” da saúde dos espanhóis e suas novas abordagens

Publicidade

Agora que pensamos nos desejos de 2023, a saúde é mais uma vez coroada como o grande desejo. E isso implica que palavras como câncer ou doenças cardiovasculares, as patologias que mais mortes causam na Espanha, não cruzam nosso caminho, conforme afirmou em 13 de dezembro no I Foro Novartis-A TU SALUD. «Muitos dos agentes envolvidos se reúnem aqui para focar duas das principais causas de mortalidade na Espanha, pois são responsável por mais de 230.000 mortes por ano“, confiante Lupe Martínez, diretora médica da Novartisque saudou o ato.

Publicidade

Lupe Martínez, diretora médica da Novartis
Lupe Martínez, diretora médica da Novartis Gonzalo Pérez Mata A razão

Em concreto, As doenças cardiovasculares causam a morte de 120.000 pessoas por ano, seguidas cada vez mais pelo câncer, com 280.000 novos diagnósticos por ano na Espanha.. E ainda, “até um terço das mortes por câncer e 80% das mortes prematuras por doenças cardiovasculares poderiam ser evitadas se encontrarmos as estratégias de prevenção e controlarmos os fatores de risco”, alertou Martínez, que insistiu que “outro fator chave é a inovação científica baseada no esforço conjunto. Na Novartis, trabalhamos reimaginar a Medicina, que para nós é encontrar soluções e curas para estas doenças. Não poderíamos fazer isso sem a colaboração dos centros de pesquisa, mas também não sem as administrações públicas, profissionais de saúde, pacientes e mídia. Juntos conseguiremos reimaginar a abordagem destas doenças para que os tratamentos cheguem mais rápido, prolonguem vidas e acabemos por encontrar a cura”.

Para conhecer a abordagem de ambas as patologias e os desafios pendentes, o 1º Fórum Novartis-A TU SALUD reuniu o Dr. Eva Ciruelos, coordenadora da Unidade de Cancro da Mama do Hospital 12 de Octubre de Madrid e vice-presidente do Grupo Solti; ao doutor José Luis Zamorano, Chefe do Serviço de Cardiologia do Hospital Universitário Ramón y Cajal de Madrid e professor da Universidade de Alcalá; para Patrícia Bressanellopsico-oncologista da Associação Espanhola contra o Cancro e responsável pela Infocáncer (telefone 900 100 036), desde Cecília Salvadorpresidente da Associação Espanhola de Portadores de Válvulas Cardíacas e Anticoagulantes (Aepovac) e membro do conselho de administração da Cardioalianza.


Da esquerda para a direita, Cecilia Salvador, Eva Ciruelos, Raquel Bonilla, José Luis Zamorano e Patricia Bressanello
Da esquerda para a direita, Cecilia Salvador, Eva Ciruelos, Raquel Bonilla, José Luis Zamorano e Patricia Bressanello Gonzalo Pérez Mata A razão

A inovação científica é, sem dúvida, a grande esperança dos pacientes com câncer e doenças cardiovasculares, e há boas notícias em ambos os campos. «No último Simpósio de Câncer de Mama de San Antonio, realizado há alguns dias, foi confirmado que existem novas abordagens terapêuticas que agem como um cavalo de Tróia, atacando as células malignas e evitando a toxicidade nos tecidos saudáveise tem sido demonstrado que, através da inovação e da biologia molecular, grandes avanços podem ser alcançados”, explica o Dr. Ciruelos que acrescenta que “os investigadores fazem-no muito bem nas condições que têm. A Espanha ocupa uma das cinco primeiras posições em pesquisa clínica em todo o mundo. Muitos pacientes se beneficiam muito, mas depois você tem que esperar um período muito longo de até dois anos, porque na Espanha há muitos obstáculos e burocracia que levam à falta de equidade e isso é muito grave. O sistema deve mudar.”

Publicidade

Perante este progresso científico, os doentes oncológicos “querem aceder a estas soluções terapêuticas o mais rapidamente possível, mas nem sempre é viável. Gerir prazos e incertezas requer por vezes um apoio psicológico que é essencial e que oferecemos das associações», garantiu Bressanello. Algo em que Salvador concordou, que destacou o acompanhamento das associações de doentes a todo o ambiente familiar, “para que se sintam amparados perante o diagnóstico e possam diminuir os seus medos e dúvidas”. Na Cardiologia, as grandes novidades «vêm do lado da investigação em terapia génica, mas também na forma de administrar os fármacos que vão precisamente ao alvo terapêutico. Isso está mudando a abordagem das doenças cardiovasculares”, disse o Dr. Zamorano.

Publicidade

À medida que todos esses avanços se tornam palpáveis, “a melhor medida de saúde é prevenir a doença, e isso implica uma mudança na educação do paciente, pois sem eles não podemos fazer nada. Por exemplo, quando falamos de Colesterol LDL, que é um inimigo brutal de saúde e com o qual não nascemos elevados, devemos explicar que Não só dieta e exercícios valem a pena mantê-la sob controle, principalmente se já houve episódio cardiovascular anterior, caso em que deve estar abaixo de 55 mg/dl, sendo necessária uma terapia escalonada com medicamentos para nos ajudar a alcançá-lo”, disse o Dr. Zamorano. «A chave é que os afetados se envolvam e entendam se estamos fazendo bem. Temos de saber as consequências da nossa atitude e ter consciência do que a doença acarreta”, acrescentou Salvador.

fortalecimento

No caso do cancro, a situação é semelhante, pois “estamos a assistir a uma mudança de paradigma, pois os doentes querem fazer parte do seu processo de tratamento, saber o que se passa com eles e decidir no seu processo de recuperação. Além do mais, É muito importante intervir nos ambientes da pessoa afetada para que nos ajudem a levar um estilo de vida saudável», garantiu Bressanello. Por esse motivo, a inclusão de pacientes em equipes multidisciplinares é essencial para melhorar a abordagem oncológica. «Já são tidos em conta, sobretudo na parte da investigação, onde existem comissões de ética em que há sempre um doente envolvido. Isso é fundamental, mas é necessário mudar o modelo de saúde e colocá-los no centro, especialmente quando se trata de sobreviventes de longo prazo que têm outras necessidades. Por exemplo, já cuidamos da saúde cardiovascular de quem sofreu de câncer em unidades especializadas e aqui os afetados têm que se envolver, mas ainda há muito a ser feito”, reconheceu o Dr. Ciruelos.

Neste sentido, o Dr. Zamorano insistiu em “o necessidade de repensar os atuais modelos hospitalares para que sejam transversais e com o paciente no centro, e não com especialidades independentes uns aos outros, pois isso melhoraria muito o atendimento. Uma proposta a que Salvador aderiu, “porque evitaria muitas dúvidas aos afetados pela interferência entre tratamentos”, e que Bressanello também defendeu, uma vez que “Defendemos esta intervenção abrangente de todos os pontos de vista. Procuramos detectar as necessidades do paciente em todos os aspectos de sua vida: no nível da saúde, econômico, social, laboral…

Necessidades não atendidas

Entre as necessidades não atendidas que ainda precisam ser resolvidas, Bressanello destacou “o precisa melhorar os cuidados paliativos em nosso país, além de evitar a iniquidade no acesso ao tratamento, programas de triagem e pesquisas dependendo de onde você mora. Outro desafio é aliviar a vulnerabilidade econômica e o terceiro é combater a solidão indesejada em pessoas com doenças graves. Por sua vez, Salvador fez alusão ao ” urgência para implementar unidades de insuficiência cardíaca em todos os hospitais espanhóis, conforme preconizado pela nova Estratégia Nacional de Doenças Cardiovasculares, além de permitir o autoteste da anticoagulação aos pacientes que dela necessitem. Por todos esses motivos, Zamorano encerrou a mesa redonda insistindo que «devemos aplicar o que os guias já nos dizem, porque sabemos muito, mas fazemos pouco. Devemos investir na elaboração de um plano transversal de prevenção e centrado no doente, continuando a investir na inovação científica, de forma não apenas a prolongar a vida do doente, mas a alargá-la em qualidade”.


Fórum La Razon sobre doenças cardiovasculares e câncer.
Fórum La Razon sobre doenças cardiovasculares e câncer. Gonzalo Pérez Mata A razão

O encerramento do I Foro Novartis-A TU SALUD foi realizado por Elena Mantilla, Diretora Geral de Inspeção, Planejamento e Estratégia Sanitária da Comunidade de Madri, que agradeceu este acto, “porque um cidadão informado é um doente com mais confiança e mais segurança nos seus tratamentos”. Combinando as duas principais doenças do fórum, Mantilla explicou que «tentamos evitar toxicidade cardiológica em pacientes com câncer. Por isso continuamos inovando, como fizemos em 2011, quando inauguramos a Unidade de Cardio-Onco-Hematologia do Hospital de La Paz, pioneira na Espanha e um dos primeiros do mundo. Além disso, a Direção do Hospital tem divulgado o primeira diretriz de prática clínica da Sociedade Europeia de Cardiologia 2022 em Cardio-Oncologiaporque a nossa razão de ser são os pacientes e os profissionais”, concluiu.

Você pode gostar...

Artigos populares...