A tecnologia resiste às úlceras diabéticas

Publicidade

As feridas crônicas eles são caracterizados por cicatrização prejudicada ou estagnada e inflamação prolongada e descontrolada que pode levar a infecções recorrentes. Milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de feridas crónicas que não cicatrizam: vão desde feridas cirúrgicas que não fecham bem, queimaduras, ulcerações relacionadas com veias até, sobretudo, úlceras diabéticas.

Bem, engenheiros do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) projetaram um adesivo bioeletrônico que permite o monitoramento em tempo real do estado metabólico e inflamatório das feridas. Para isso, possui uma placa de circuito impresso totalmente biocompatível, mecanicamente flexível, esticável e que pode ser formalmente aderida à ferida cutânea durante todo o processo de cicatrização.

Publicidade

Este sistema portátil monitora sem fio e continuamente as condições fisiológicas do leito da ferida por meio de uma série de biossensores eletroquímicos desenvolvidos sob medida e realiza terapia combinada não invasiva por meio de um tratamento antimicrobiano anti-inflamatório controlado e regeneração tecidual estimulada eletricamente.

Monitoramento metabólico e inflamatório em tempo real em uma série de experimentos pré-clínicos in vivo mostrou o progresso da cicatrização e o aparecimento de infecções, bem como o controle da liberação de fármacos por meio de um hidrogel eletroativo e a aplicação de voltagem para promover a cicatrização no local da ferida. Terapia combinada permitida acelerar substancialmente a cicatrização de feridas crônicas pele em um modelo de roedor. Os cientistas instalaram o dispositivo em camundongos diabéticos que se moviam livremente para acelerar a cicatrização de feridas por 14 dias.


patch portátil biocompatível
patch portátil biocompatível CIÊNCIA CIÊNCIA

Após os bons resultados da pesquisa, “prevemos que o patch portátil integrado e personalizado pode servir como uma plataforma mais eficiente, totalmente controlável e fácil de implantar para monitoramento e tratamento personalizado de feridas crônicas com efeitos colaterais mínimos”, concluem os pesquisadores.

Publicidade

mais alternativas

As úlceras venosas diabéticas são, como já dissemos, uma causa muito frequente do aparecimento deste tipo de problema. Uma úlcera venosa é uma ferida com perda de substância, geralmente localizada nas pernas. porque as veias não podem circular adequadamente o sangue.

Publicidade

Atualmente, seu tratamento padronizado consiste em uso de curativos absorventes de alginatos ou hidrocolídeos associados a um antisséptico para manter a úlcera úmida e limpa e assim tentar fechá-la.

«úlceras venosas são um desafio terapêutico hojeespecialmente no contexto de uma síndrome pós-trombótica, pois continuamos a procurar terapias rápidas e eficazes que melhorem a qualidade de vida dos nossos pacientes”, explica Ignacio Leal, especialista em Angiologia e Cirurgia Vascular da Clínica Universidad de Navarra (CUN) Madri.

Precisamente por isso vão tentar outro novo tratamento para este tipo de ferida difícil. E assim pela primeira vez no mundo, um ensaio clínico tratará úlceras vasculares venosas com plasma (o quarto estado da matéria) usando ar à pressão atmosférica em forma de jato. Para isso, está à procura de pacientes que sofrem desta condição e que desejem participar neste ensaio nas suas sedes de Pamplona e Madrid.

“Aplicamos o plasma como o efeito de um raio – com segurança para o paciente, naturalmente – que produz a ionização do ar sobre a ferida», explica Bernardo Hontanilla, diretor científico e acadêmico do Departamento de Cirurgia Plástica, Estética e Reconstrutiva do CUN e investigador principal do estudo.

Com este novo sistema, espera-se que o efeito vasodilatador e bactericida do plasma ionizante supere o efeito cicatrizante dos tratamentos clássicos atualmente utilizados.

Teste único no mundo

“Esse fluxo de ar se aplica dois mecanismos terapêuticos na úlcera sinergicamente: campos eléctricos locais que reactivam a microcirculação sanguínea, e oxigénio e azoto ionizado que têm um efeito bactericida que não afecta as células sãs, fazendo com que a ferida feche rapidamente”, explica Hontanilla, sublinhando que a técnica “é totalmente indolor e tem sido previamente testado com sucesso em modelos animais.

“Nós queremos contrastar a prática que tem sido a mais eficaz até agora, com este novo procedimentoque tem como vantagem a maior absorção de oxigênio e glicose na ferida, além de seu efeito bactericida, o que facilitaria a cicatrização mais rápida”, destaca Hontanilla.

Qualquer pessoa com esta doença pode participar desde que seja maior de idade e não esteja grávida. As pessoas que considerem que podem fazer parte do ensaio devem contactar o Departamento de Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Estética do CUN de Pamplona ([email protected]) ou o Serviço de Cirurgia Vascular de Madrid ([email protected]).

Você pode gostar...

Artigos populares...