o que fazer e quando é necessário tratá-lo?

Publicidade

Fechar um olho, levantar um braço, mexer o nariz e a boca para baixo são alguns dos tiques mais frequentes. Antes que eles ocorram, o paciente pode sentir vontade de fazê-lo, um desejo semelhante a quando se sente vontade de espirrar, e então sentir um pouco de alívio. Por isso, é difícil controlar os tiques, especialmente em momentos de estresse.

Publicidade

São movimentos bruscos ou vocalizações que ocorrem de forma regular e que, ao contrário do que se possa pensar, são bastante típicos da infância. Na verdade, aproximadamente há 18-23% das crianças que sofrem desta patologia que é mais frequente em meninos do que em meninas (entre três e cinco vezes).

Chamar a atenção para um tique, principalmente em crianças, piora o quadro porque eles não são intencionais, então eles não apenas não param com uma repreensão, mas podem piorar.

Publicidade

Portanto, caso seu filho tenha um tique, é aconselhável “consultar um neuropediatra, psiquiatra infantil ou neurologista especializado nesta patologia; identificar as situações com as quais o tique é desencadeado ou intensificado; conte à família e aos amigos próximos o que está acontecendo para que não repreendam ou ridicularizem, e realize atividades que elevem a autoestima da criança e a ajudem a processar a emoção de nervosismo ou estresse”, explica a Dra. Erika Torres, responsável pelo Serviço de Neurociências do Hospital Quirónsalud Torrevieja.

A maioria delas é transitória e desaparece espontaneamente sem necessidade de tratamento. Alguns pacientes que não melhoram na infância podem fazê-lo na adolescência ou na idade adulta, especialmente tiques motores e de fala simples.

Publicidade

De fato, “os tiques podem e geralmente remitem espontaneamente na juventude ou no início da idade adulta”, diz o Dr. Pedro García Ruiz Espiga, chefe da Unidade de Distúrbios do Movimento do Hospital Universitário da Fundação Jiménez Díaz, que explica que “É comum que as pessoas com tiques sejam extremamente organizadas ou rígidos em seu comportamento com curiosos rituais próprios como os que podem ser vistos no filme ”Better than that””, no qual Jack Nicholson faz uma atuação inesquecível.

Além disso, “as crianças com tiques -continua o médico- Costumam ser inteligentes, embora com tendência a manter pouca atenção e em geral, exceto em casos raros, esses movimentos bruscos não costumam representar um grande problema.

Assim, “na maioria dos casos, nenhum tratamento farmacológico é necessário. Uma criança com tiques ocasionais ou moderados que não são um problema escolar significativo não requer tratamento medicamentoso. Só é preciso tranquilizar os pais e a criança”, afirma o médico.

“Somente quando os tiques são graves ou o comportamento interfere nas atividades escolares ou familiares, o tratamento médico pode ser necessário”, diz ele.

Algo fundamental no caso de tiques complexos e associados à patologia psiquiátrica. “Este tipo de doentes pode oscilar na clínica, apresentando fases com muito bom controlo dos sintomas com fases de aparecimento mais frequente de tiques que estão geralmente associados a stress, fadiga, pouco sono noturno… Fazendo um acompanhamento multidisciplinar, estes doentes têm uma boa qualidade de vida”, enfatiza Dr. Torres.

“Para o paciente que tem um tique simples só será tratado se limitar sua funcionalidade diária. Em geral, o tratamento é farmacológico (neurolépticos, inibidores da recaptação da serotonina…). Um tratamento multidisciplinar com terapia cognitivo-comportamental é recomendado para pacientes com distúrbios comportamentais e, em alguns casos selecionados, eles podem se beneficiar do tratamento com toxina botulínica. Quando o paciente é refratário ao tratamento farmacológico, pode-se considerar a opção de estimulação cerebral profunda por meio de cirurgia”, detalha o médico.

Mas antes de ir a esse extremo, devemos ter em mente que “exercícios e esportes são sempre oportunos porque ajudam a dissolver a ansiedade e o estresse”, diz o Dr. Ruiz Espina.

E se a situação não melhorar, “Neuropediatras ou neurologistas para pacientes adultos podem responder a perguntas que possam surgir e aconselhar pacientes com tiques”, finaliza o médico, que ressalta que “é muito importante ressaltar que na maioria dos casos não é necessário um tratamento farmacológico”.

Você pode gostar...

Artigos populares...