“Um bom ambiente de trabalho possibilita uma melhor inovação farmacêutica”

Publicidade

Brasileiro de nascimento, Gabrielle Berbigier ela se considera uma cidadã do mundo, convencida de que o talento pessoal é o recurso mais valioso de uma empresa. E é assim que a defende há três anos através do departamento de Recursos Humanos da Novartis na Europa, embora a sua relação profissional com a farmacêutica suíça remonte a 2009.

Como você definiria a cultura de recursos humanos da Novartis na Espanha?

Publicidade

Temos uma filosofia baseada em quatro pilares: inspiradora, curiosa, sem hierarquias e íntegra. Tudo isso a partir da particularidade de cada país, que é muito respeitada. Apostamos numa transformação que nos tem permitido evoluir muito ao nível da capacitação das equipas, defendendo conceitos como a cultura da segurança psicológica onde cada um traz o melhor de si, não só a sua figura mais profissional, mas na qual se enquadra toda a sua personalidade como potencializadora de talentos.

Só na Espanha existem mais de 2.100 profissionais de 50 nacionalidades… Como você faz esse mecanismo funcionar?

Esses números refletem que a Espanha se tornou um país muito atraente para o emprego, o que ajuda a promover essa diversidade, e acho que fala muito sobre a grande competência dos profissionais que estão aqui. Essa diversidade é muito enriquecedora quando nos baseamos em menos níveis hierárquicos e buscamos estimular a criatividade, a flexibilidade e a eficiência das equipes.

Publicidade

Que sinal de identidade você acha que diferencia os trabalhadores espanhóis?

Talvez a dinâmica e a criatividade. Além disso, destaco a energia positiva e a qualidade das relações pessoais.

Publicidade

O que há de especial nos recursos humanos no setor farmacêutico?

Algo que o torna único é o propósito, pois trabalhamos em um setor que pode mudar a vida das pessoas. Receber essa gratificação é muito especial e a motivação para tentar trazer um tratamento inovador é muito poderosa. Não é um setor espartilhado, mas aberto, fechado e informal, com um ambiente em que os profissionais se sentem muito à vontade.

Profissionais com maior satisfação pessoal e profissional possibilitarão uma melhor inovação farmacêutica?

Completamente. Quando você está em um ambiente onde sente que pode deixar um legado e acredita fortemente nesses valores, a dedicação é muito mais motivadora. Aqui todos tentam dar a sua melhor versão. Investimos fortemente em ferramentas para saber como os profissionais se sentem e compartilham suas emoções. O trabalho pode prejudicar a saúde e tudo isso repercute nos pacientes a longo prazo.

A inovação faz parte da Novartis. Como isso se traduz no local de trabalho?

A flexibilidade sempre esteve em nossos genes, buscando equilíbrio entre família e trabalho. Outra grande mudança é apostar em ambientes físicos abertos, que estimulam o relacionamento interpessoal, bem como na política de equipe “unboss”, que envolve capacitar os profissionais e aprender com seus erros, com líderes que deixam as coisas acontecerem.

54% da força de trabalho da Novartis é feminina. Que impacto isso tem?

Estamos acima da média de mulheres na indústria farmacêutica na Espanha e em nosso comitê de gestão aqui há 67% de mulheres. Apostamos na diversidade em geral e na combinação de perfis.

O que a pandemia mudou?

Acelerou o modelo híbrido entre presencial e teletrabalho, mas ensinou-nos a importância do contacto humano e como isso faz a diferença nas equipas. O equilíbrio entre os dois é essencial, mas a chave do sucesso é a flexibilidade. Isso não vai voltar.

Você pode gostar...

Artigos populares...