«Grandes avanços vêm da união de ciência e tecnologia»

Publicidade

Apaixonada pelo seu trabalho e defensora ferrenha da necessidade de cuidar do bem-estar físico e emocional da sua equipa, Cristina Henríquez de Luna está à frente da GSK Espanha desde 2014. E fá-lo com rigor, mas temperado com uma proximidade que lhe permite conseguir o envolvimento de uma força de trabalho que trabalha todos os dias para enfrentar o desafio de antecipar doenças.

A GSK fez sua maior mudança corporativa em 2022. Como tem sido a transição?

Foi um passo natural; nos últimos anos já havíamos diferenciado os negócios de prescrição e consumo e o spin-off não foi um problema. Fortalecemos o programa de pesquisa e desenvolvimento e a execução de negócios para nos tornarmos uma empresa biofarmacêutica focada na prevenção e tratamento de doenças. Nossa prioridade de P&D é fornecer vacinas e medicamentos usando ciência do sistema imunológico, genética humana e tecnologias avançadas para encontrar soluções para necessidades não atendidas em doenças infecciosas, respiratórias, oncológicas, HIV e imunomediadas. Tudo isso com o compromisso de atuar de forma responsável e sustentável, priorizando a inovação, que é o motor da empresa rumo ao futuro. Os excelentes resultados de 2022 são a prova de que estamos no caminho certo.

Publicidade

Quais são os objetivos da GSK nesta nova etapa?

Cumprir nosso renovado propósito: “Juntos, unimos ciência, tecnologia e talento para ficar à frente da doença” e assim atingir a meta de deixar uma marca positiva na saúde de mais de 2,5 bilhões de pessoas até 2030. Isso implica não apenas fazer contra doenças com o nosso portefólio de vacinas e medicamentos, mas também para melhorar a sua prevenção. E enfrentar grandes desafios, como o acesso à inovação e à saúde, além de contribuir para a construção de um planeta mais sustentável e de uma sociedade mais saudável, diversa e inclusiva.

Em quais patologias você vê mais possibilidades de melhora?

Os maiores avanços ocorrem onde unimos ciência com tecnologia. Combinando genética, genômica e a dupla Inteligência Artificial + Aprendizado de Máquina, poderemos desenvolver medicamentos melhores no futuro. Atualmente, mais de 70% das nossas moléculas/compostos em investigação (cerca de 70 ativas, 18 delas em fase III de desenvolvimento clínico) possuem validação genética. Para avançar mais rapidamente, adicionamos ao talento da GSK colaborações estratégicas com outras empresas, como 23andMe, LifeMine Therapeutics ou Tempus.

Eles estão perto do câncer?

Na Oncohematologia estamos experimentando grandes avanços. Pouco a pouco, o câncer está se tornando uma doença crônica. Nossas linhas de pesquisa concentram-se em imuno-oncologia, terapia celular, epigenética do câncer e letalidade sintética. Já temos um tratamento oral para câncer de ovário, um anticorpo conjugado para mieloma múltiplo e a primeira imunoterapia para câncer de endométrio.

Publicidade

O filme também mudou enormemente em relação ao HIV…

O tratamento do HIV melhorou muito desde o primeiro medicamento desenvolvido pela GSK há mais de 40 anos. Atualmente, o tratamento antirretroviral permite o controle da replicação do vírus no sangue para que a carga viral do HIV possa ser mantida em níveis indetectáveis ​​e com menos doses, o que pode ser uma opção mais confortável para algumas pessoas que vivem com HIV.

A maior esperança está no sistema imunológico?

Publicidade

A ciência do sistema imunológico está nos ajudando a avançar tanto no desenvolvimento de tratamentos baseados em anticorpos monoclonais e anticorpos conjugados, quanto em vacinas, onde está ocorrendo uma verdadeira revolução com o uso de diferentes tecnologias como adjuvantes, RNA mensageiro , SAM (RNA Mensageiro de Autoamplificação) ou GMMA (Módulos Generalizados para Antígenos de Membrana). Estamos incorporando essas novas plataformas tecnológicas para o desenvolvimento de vacinas contra patógenos prioritários por sua resistência aos antimicrobianos (RAM). Além disso, temos grandes marcos recentes contra o RSV pela primeira vez em 60 anos, pois nossa vacina candidata contra o RSV mostrou resultados promissores em idosos em ensaios clínicos em estágio avançado. Também contra a meningite, para a qual existem várias vacinas, mas há algum tempo estamos pesquisando para desenvolver uma candidata contra os cinco sorogrupos da bactéria que causa quase todos os casos de doença meningocócica invasiva no mundo. Em março, anunciamos resultados positivos para essa candidata a vacina pentavalente e, se autorizada, reduzirá o número de injeções que agora são administradas.

Vamos nos antecipar a algumas doenças no futuro?

Sim. Muitas patologias terão um tratamento que as cure ou cronifique, ou mesmo vacinas para preveni-las. Vimos progressos na malária, com o desenvolvimento da nossa vacina, a primeira do mundo contra um parasita. Ela é usada desde 2019 em um programa piloto de vacinação na África e beneficiou mais de um milhão de crianças.

O papel do paciente é cada vez mais crucial na Saúde…

Antecipar a doença implica também antecipar o diagnóstico e o tratamento. Aqui o paciente tem um papel fundamental, mais informado sobre a sua saúde, mas também biomarcadores e novas tecnologias. Os modelos preditivos podem ser de grande ajuda para os profissionais de saúde, agilizando decisões e como detectores precoces de diversas patologias. Por isso, lançamos um curso de treinamento e aplicação de IA levado à prática clínica da oncohematologia. Ainda há um longo caminho a percorrer, mas é uma área para a qual devemos direcionar nossos esforços como sociedade.

A pandemia sensibilizou para a necessidade de uma boa profilaxia ou tem sido prejudicial?

Ele colocou as vacinas no centro das conversas. Houve muita desinformação, mas finalmente a ciência prevaleceu e o resíduo deixado pelo Covid-19 foi positivo em termos de prevenção de doenças em um sentido amplo e vacinas em particular, que se mostraram muito econômicas. Em 2019 houve uma mudança de paradigma quando foi aprovado o calendário de vacinação ao longo da vida. E o progresso continua… No ano passado foram incluídas a vacina herpes zoster e a vacina meningite B, ambas desenvolvidas pela GSK. Agora seria muito positivo aumentar a conscientização da população adulta porque a cobertura nessa faixa etária ainda é muito menor do que para as crianças. Devemos aproveitar o interesse e o conhecimento gerados pela vacinação contra a covid e promover programas de informação e conscientização sobre as oportunidades de prevenção.

O covid ajudou a população a ter uma opinião melhor sobre as grandes farmacêuticas ou tem sido contraproducente?

O papel do setor farmacêutico na pandemia tem sido indiscutível. Vimos como milhões de pessoas receberam a primeira dose de vacinas apenas 12 meses após a descoberta do vírus, quando o desenvolvimento normal costuma levar entre oito e dez anos. É uma conquista histórica de colaboração, ciência, tecnologia, manufatura e logística que envolveu governos, sistemas de saúde, reguladores e o setor farmacêutico. Acho que houve reconhecimento dessa importante contribuição. Em 2021, o investimento em I&D da indústria farmacêutica espanhola ultrapassou os 1.267 milhões de euros (mais 9,2% do que em 2020 e um recorde histórico para o setor). A Espanha é um dos países europeus com maior potencial nesta área, sendo de destacar o grande papel da Farmaindustria neste último ano. Graças a esse esforço, a administração e as empresas farmacêuticas em nível global e nacional, bem como com representantes de associações patronais do setor, reuniram-se no final de 2022 com o objetivo de entender melhor os desafios do setor e estabelecer as bases de um Plano Estratégico para promover o desenvolvimento da indústria farmacêutica inovadora em nosso país. Esperamos ver bons resultados deste trabalho durante estes meses.

Qual a importância da GSK Espanha dentro do conglomerado da empresa?

A Espanha é muito importante para a GSK. Investimos mais de 50 milhões de euros em média por ano em I+D+i e temos uma presença alargada com mais de 1.700 colaboradores espalhados por todo o país e os escritórios centrais, o centro de investigação em Tres Cantos (Madrid) e a nossa fábrica em Aranda de Duero (Burgos). Temos todas as etapas necessárias para o desenvolvimento de um medicamento em nosso país: pesquisa pré-clínica, pesquisa clínica, fabricação e comercialização. Mas, além disso, se destaca por ser o país com o segundo maior volume de pesquisa clínica em que a empresa atua. No ano passado realizamos 75 ensaios clínicos e estudos epidemiológicos observacionais nos quais participaram 4.500 pacientes de 580 centros de nosso país.

O que deve ser melhorado na pesquisa de nosso país?

Em Espanha o investimento tem vindo a crescer, mas ainda estamos longe de atingir os números dos países vizinhos. As empresas privadas são as que mais investem em I&D neste país, destacando-se o setor farmacêutico, a par do automóvel, como o setor industrial que mais investe. Mas, para avançar como país, há muitos especialistas, associações e fundações, como a Cotec, que concordam que é necessário um financiamento robusto de linhas de base de estruturas de P&D para fornecer uma estrutura de estabilidade temporária e incentivos e regulamentações favoráveis ​​mantidos ao longo do tempo. Só consolidando uma base estrutural de tecido de investigação é que se poderá garantir um nível de resultados de I&D como o que corresponde a Espanha.

O centro de P&D Tres Cantos, dedicado à pesquisa de doenças típicas de países em desenvolvimento, é uma marca da sua filosofia de trabalho?

Sem dúvida, é um grande exemplo da execução do nosso propósito. Graças ao trabalho realizado neste laboratório, temos mais de sete compostos em desenvolvimento contra malária, tuberculose e leishmaniose visceral. E nosso compromisso com a saúde global continua a crescer, com investimentos gerais em P&D de mais de € 1,1 bilhão nos próximos 10 anos.

Quais desafios você está buscando em 2023?

A nossa prioridade continua a ser ajudar a cuidar da saúde da população através de dois pilares fundamentais: disponibilizar medicamentos e vacinas inovadores aos profissionais de saúde e cuidar da saúde do planeta, porque sem um planeta saudável não teremos pessoas saudáveis. . Fomos reconhecidos como a empresa farmacêutica mais sustentável do mundo e queremos continuar fortalecendo nosso compromisso social, ambiental e de governança (ESG).

Você pode gostar...

Artigos populares...