Homens que levantam peso têm mais esperma, de acordo com Harvard

Publicidade

homens que levantar regularmente objetos pesados ​​no trabalho ou dão peso no seu dia a dia (sem ir muito longe) têm uma contagem de esperma maior, que é um dos principais indicadores do fertilidade masculina. É o que sugere um novo estudo de pesquisadores do Brigham and Women’s Hospital, instituição afiliada a Harvard.

Publicidade

Deve-se notar que 30% a 50% dos homens em idade reprodutiva têm um sêmen de baixa qualidade, segundo a Organização Mundial da Saúde. Tóxicos do ambiente (plásticos, pesticidas, tintas, detergentes…), stress, excesso de peso, álcool ou tabaco são os principais fatores que deterioram a qualidade do esperma.

A obra, publicada na prestigiada revista reprodução humanafaz parte do EARTH (Environment and Reproductive Health), uma colaboração entre a Harvard “TH Chan” School of Public Health e o Mass General Brigham Center que busca avaliar a efeito de diferentes fatores ambientais e de estilo de vida na fertilidade. O programa EARTH coletou amostras e dados de pesquisa de mais de 1.500 homens e mulheres. O estudo atual também analisou um subconjunto desses participantes, que incluiu 377 parceiros do sexo masculino que buscavam tratamento em um centro de fertilidade.

Os pesquisadores descobriram que homens que relataram levantar ou mover objetos pesados freqüentemente no trabalho tinha uma concentração de esperma um 46% mais velho e uma contagem total de esperma 44% maior em comparação com aqueles com menos trabalhos físicos. Mas há mais uma descoberta nesta pesquisa, que pode ser uma surpresa: os homens que relataram ser mais ativos fisicamente no trabalho também apresentaram níveis mais altos do hormônio sexual masculino. (testosterona) e, ao contrário do que se possa intuir, o hormônio feminino (estrogênio). E isso, justamente, poderia explicar o aumento da produção de esperma.

Publicidade

“Ao contrário do que alguns lembram da aula de Biologia, o hormônios ‘masculinos’ e ‘femininos’ são encontrados em ambos os sexosmas em quantidades diferentes”, explica Lidia Mínguez-Alarcón, principal autora do estudo, epidemiologista reprodutiva da Brigham’s Channing Division of Network Medicine e co-investigadora do EARTH. Os pesquisadores levantam a hipótese de que o exercício físico produz aumento da secreção de testosterona e o corpo converte o excesso em estrogênio para compensar esse desequilíbrio nos hormônios sexuais. Dito de outra forma: “O excesso de testosterona está sendo convertido em estrogênio. Por mais surpreendente que pareça, essa é uma maneira conhecida de o corpo manter os níveis normais de ambos os hormônios”, diz Mínguez-Alarcón.

Infertilidade nos homens: qual é a causa?

A infertilidade masculina é um problema crescente e pode ser causada por uma ampla variedade de fatores complexos. No entanto, em torno do 40% dos casos de infertilidade pode ser atribuída a fatores masculinos. Estes são: contagem de esperma, qualidade do sêmen e função sexual. Em particular, acredita-se que os dois primeiros sejam os principais impulsionadores do aumento das taxas de infertilidade entre os homens. Uma análise anterior liderada pela equipe do estudo EARTH descobriu que, entre os homens que procuram tratamento de fertilidade, a contagem e a qualidade do esperma diminuiu em até 42%entre 2000 e 2017.

Publicidade

Embora o estudo atual tenha encontrado uma relação entre atividade física e fertilidade em homens que procuram tratamento de fertilidade, mais pesquisas serão necessárias para confirmar se essas descobertas são válidas para homens na população em geral. Os pesquisadores também esperam que estudos futuros revelem a mecanismos biológicos subjacentes em jogo. “Há evidências crescentes de que a infertilidade masculina está associada a doenças crônicas comuns, como doenças cardiovasculares e autoimunes, o que destaca a importância geral da saúde reprodutiva masculina”, diz Mínguez-Alarcón. “Descobrir os passos práticos que as pessoas podem tomar para melhorar sua fertilidade beneficia a todos, não apenas aos casais que estão tentando engravidar.”

Como é medido e como você sabe se a qualidade do esperma é boa?

Em aproximadamente metade dos casais que vão a uma clínica de reprodução porque não engravidam, o problema de infertilidade é do homem. E na maioria dos casos, isso acontece como resultado de sêmen ou qualidade ruim do esperma. Isso é medido por meio de um teste chamado seminograma que analisa esses aspectos:

  • Volume de sêmen: Normalmente, são produzidos entre 2 e 5 mililitros por ejaculação. Tendo em conta que o número de ejaculações reduz o volume e este aumenta em função do tempo de abstinência sexual anterior, valores sistemáticos abaixo e acima dos referidos são indicativos de problemas que podem afetar a fertilidade.
  • Sua viscosidade: a maneira como engrossa e depois se torna líquido. Nenhum dos extremos significa algo bom.
  • Concentração de esperma: normal é uma concentração superior a 15 milhões de espermatozóides por mililitro de esperma. Quanto maior a concentração, maior a probabilidade de o esperma alcançar o óvulo para fertilizá-lo.
  • A quantidade de esperma: considera-se ótimo que em cada ejaculação sejam expelidos cerca de 39 milhões.
  • A acidez: o pH e o teor de frutose do líquido são importantes. O ácido cítrico e a frutose indicam a capacidade secretora da próstata e das vesículas seminais. Os níveis normais de ambas as substâncias estão acima de 52 e 13 micromoles, respectivamente.
  • Sua forma: a morfologia do esperma também é importante. Deve haver pelo menos 4% deles com formato “normal” (levando em conta cabeça, pescoço e cauda) para que possam fertilizar o óvulo.

O que pode ser feito para melhorar a qualidade do sêmen?

Como vimos, a qualidade do sêmen pode variar devido à influência de inúmeros fatores. Por esta razão, em muitas ocasiões, os médicos recomendam repetir o estudo do sêmen entre 3 e 6 meses após obter um mau resultado do espermograma. Durante este tempo, os médicos orientam o paciente sobre hábitos saudáveis e recomendações que você pode seguir para melhorar a qualidade do esperma.

Alguns dos conselhos mais comuns é seguir uma dieta saudável. Uma dieta rica em vegetais e frutas pode ajudar a manter os parâmetros de esperma saudáveis. As vitaminas e antioxidantes desses alimentos podem ajudar a manter o estresse oxidativo sob controle, que danifica os espermatozóides.

Por outro lado, e como já vimos, exercício ou atividade física tem se mostrado benéfico para melhorar a concentração e o número de espermatozóides em nosso corpo. Em primeiro lugar,

mantém o estresse oxidativo em níveis baixos, o que é positivo. Além disso, previne a obesidade e, portanto, protege contra doenças do sistema endócrino. Paradoxalmente, o exercício físico intenso pode produzir o efeito oposto: queda na qualidade do sêmen e alteração do perfil hormonal.

Finalmente, existem pílulas para melhorar a qualidade do esperma. Estes são complexos alimentares à base de vitaminas e antioxidantes que podem ajudar a eliminar resíduos que causam estresse oxidativo e podem prejudicar a qualidade do sêmen. De qualquer forma, neste link você pode ler mais recomendações para melhorar a qualidade do sêmen: Como melhorar meu sêmen e sua relação com a ingestão de nozes.

Você pode gostar...

Artigos populares...