Missão Malária, uma viagem pela história da luta contra a malária

Publicidade

Parece algo distante, mas é uma realidade bem presente que não deve ser esquecida. Malária ou malária é uma doença infecciosa desencadeada pela picada de um mosquito que mata mais de 600.000 pessoas por ano em todo o mundo., principalmente crianças e gestantes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Para lembrar a importância dessa doença, que se torna endêmica em regiões da África, Índia, América Latina, América Central e Coréia, o Dia Mundial da Malária é comemorado todo dia 25 de abril.

Publicidade

Por ocasião deste evento, alguns dias atrás, foi confirmado que O Museu Nacional de Ciências Naturais (MNCN-CSIC) acolherá, a partir de fevereiro de 2024, a exposição Misión Malaria, uma viagem pela história da luta contra esta doença que será explicado a partir do acervo particular do Dr. Quique Bassat, um dos mais importantes do mundo.

Concretamente, o MNCN-CSIC e o Barcelona Institute for Global Health (ISGlobal), centro promovido pela Fundação “la Caixa”, serão responsáveis ​​pela gestão científica e design do conteúdo expositivo, bem como pelas atividades educativas que irá acompanhá-lo. Além disso, a exposição conta com o apoio da empresa biofarmacêutica GSK.

“A malária é amplamente desconhecida da população em geral do nosso país, apesar do fato de que apenas 60 anos atrás era endêmica na Espanha”, lembra Bassat, Pesquisador do Icrea e diretor do ISGlobal Malaria Program. “Gostaria que através desta exposição, se conhecesse um pouco mais a sua história, e que tivéssemos consciência de que continua a ser uma das maiores causas de mortalidade evitável no mundo”, acrescenta.

Publicidade

Pesquisa “made in Spain”

Publicidade

Por sua vez, o dr. Borja Mila, Vice-Diretor de Exposições do MNCN-CSIC, explica que “Na Espanha, a pesquisa sobre malária é realizada no mais alto nível global, então é hora de o público conhecer o trabalho de nossos pesquisadores e reconhecer suas contribuições para a saúde global”. Assim, a exposição contará com objetos de diferentes épocas e geografias, além de peças preparadas pelo Museu para a ocasião.

O endosso de GSK a este projeto não é acidental, já que se trata de uma das empresas mais envolvidas com esta doença em todo o mundo. “Nosso O centro de P&D de Tres Cantos, Madri, é único no mundo por sua dedicação exclusiva à pesquisa e desenvolvimento de novos tratamentos para doenças infecciosas que afetam principalmente os países em desenvolvimento, como malária ou tuberculose. Temos certeza de que a exposição Missão Malária nos ajudará a tornar nosso trabalho mais visível e tangível para antecipar doenças infecciosas de alto impacto que afetam desproporcionalmente as populações mais vulneráveis ​​do mundo”, afirma Cristina Henríquez de Luna, presidente da GSK Espanha, que enfatiza que “a saúde global é um dos pilares do nosso compromisso com a inovação responsável”.

A malária é a doença parasitária mais importante do mundo e uma das principais causas de mortalidade infantil. O início do século XXI assistiu a enormes avanços na luta contra esta doença, graças ao aumento substancial do financiamento e ao aparecimento de melhores ferramentas para prevenir, diagnosticar e tratar a doença, evitando 2.000 milhões de casos e 11,7 milhões de mortes. Porém, desde 2015 o progresso estagnou e a pandemia foi um novo obstáculo. “Embora as piores previsões tenham sido evitadas e os esforços feitos devam ser valorizados positivamente, o impacto dos mais de dois anos de pandemia é significativo”, alerta Bassat. Assim, segundo a OMS, em 2021 a malária custou mais de 619.000 vidas e 247 milhões de casos foram notificados.

Avanços que salvam vidas

A malária pode ser considerada uma emergência contínua de saúde pública. Portanto, a notícia em outubro de 2021 do A recomendação da OMS para o uso generalizado da primeira – e até agora única – vacina contra a malária, desenvolvida pela GSK, foi um marco histórico na evolução desta doença. O apoio da OMS veio após a revisão dos resultados de um programa piloto de vacinação em larga escala lançado em 2019 no Quênia, Gana e Malawi, liderado pela OMS, PATH, Gavi, GSK e outros parceiros, e para o qual a GSK doou dez milhões de doses.

Mais recentemente, Em novembro de 2022, o Fundo Global de Combate à Aids, Tuberculose e Malária alcançou a maior arrecadação de sua história: 15,669 milhões de dólares, e embora não tenha alcançado sua meta de atingir 18.000 milhões, a maioria dos doadores aumentou suas contribuições. É o caso de Espanha, que prometeu contribuir com 130 milhões, mais 30% do que em 2019.

Você pode gostar...

Artigos populares...