Eles descobrem por que a amamentação prolongada reduz a obesidade infantil

Publicidade

Os benefícios da amamentação são mais do que demonstrados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). E agora há mais um argumento para defender com unhas e dentes o “tit” como alimento prioritário nos primeiros meses de vida sempre que possíveljá que uma equipe de pesquisadores espanhóis conseguiu descobrir por que ela se torna um escudo contra a obesidade na idade adulta.

Publicidade

Especificamente, para mostrar que a descendência de roedores que são amamentados por períodos mais longos têm menos probabilidade de serem obesos durante a maturidademesmo exposto a uma dieta rica em gordura, tem sido o mais recente marco científico da equipa de investigadores galegos da Ciberfisiopatologia da Obesidade e Nutrição (CiberOBN), do Centro Singular de Investigação em Medicina Molecular e Doenças Crónicas da USC (CiMUS) e do Instituto de Investigação em Saúde de Santiago de Compostela (IDIS). O trabalho, publicado esta semana na revista científica “Nature Metabolism”, foi dirigido por Luisa María Seoane e contou com a colaboração de grupos internacionais da França e da Alemanha. “Estamos muito satisfeitos porque, pela primeira vez, descrevemos o mecanismo pelo qual a amamentação protege contra o desenvolvimento da obesidade com efeitos de longo prazo na vida adulta”, diz Seoane.

Os resultados mostram que roedores jovens mantêm esse efeito protetor mesmo quando expostos a dietas hipercalóricas. Esse fenômeno pode ser explicado, segundo os autores, “pela liberação de uma proteína conhecida como fator de crescimento de fibroblastos 21 (FGF21) do fígado, que pode atingir o hipotálamo, região do cérebro que desempenha um papel fundamental no controle de consumo e uso de energia no corpo. Uma vez no hipotálamo, o FGF21 ativa os receptores de dopamina, um neurotransmissor com múltiplas funções biológicas. Isso, por sua vez, leva a uma maior atividade da gordura marrom, capaz de queimar calorias e, portanto, de provocar um maior gasto energético.

Publicidade

Embora o impacto da nutrição materna sobre a prole tenha sido extensivamente estudado, os mecanismos pelos quais a amamentação influencia o balanço energético ao longo da vida permanecem desconhecidos. “Nosso trabalho descreve pela primeira vez a existência de um mecanismo alterado pela amamentação com efeitos permanentes até a idade adulta e que envolve tanto órgãos periféricos, como o fígado ou tecido adiposo, quanto o cérebro”, explica o pesquisador principal do CiberOBN. Embora esta seja a primeira vez que o mecanismo responsável pelos efeitos benéficos da amamentação é descrito e este seja um feito sem precedentes, os pesquisadores reconhecem que “futuras pesquisas são necessárias para determinar se esses efeitos também ocorrem em humanos”. compreender melhor os benefícios metabólicos a longo prazo da amamentação.”

O desafio é empolgante, pois A obesidade é uma pandemia que afeta todos os países., em todas as idades e em todos os grupos sociais. No entanto, começa em idades mais jovens, o que representa um risco significativo para a saúde da criança e para a criança quando adulta”, alerta Rosaura Leis, coordenadora do Comitê de Nutrição e Aleitamento Materno da Associação Espanhola de Pediatria.

Publicidade

Um problema crescente

Excesso de peso afeta quatro em cada dez crianças e três em cada dez adolescentes na Espanha e aqueles que vivem em famílias de baixa renda têm duas vezes mais chances de desenvolver essa patologia. “Para reverter e prevenir esta situação, é necessário identificar grupos vulneráveis ​​e implementar estratégias de prevenção e estabelecer um percurso de cuidados entre a Pediatria de cuidados primários e o hospital para o diagnóstico, tratamento e acompanhamento de crianças e adolescentes com obesidade, estabelecendo unidades especializadas com enfermagem, nutricionistas e graduados em atividade física”, diz Leis.

Você pode gostar...

Artigos populares...