“Unidades pós-covid ainda são muito necessárias”

Publicidade

1. Passados ​​três anos desde a pandemia de Covid-19 no nosso país, como evoluiu a abordagem desta infeção respiratória?

Temos bastante clareza sobre como manejar esses pacientes, tanto do ponto de vista farmacológico quanto do suporte respiratório mecânico, o que foi estabelecido para o nosso país no documento de consenso do qual sou coautor.

Publicidade

2. Durante a pandemia, as UTINs se tornaram uma ferramenta fundamental para prevenir o colapso da saúde. Que lições foram aprendidas então que se mantiveram até agora?

Que essas unidades são essenciais para reduzir a mortalidade, garantir a segurança do paciente, bem como melhorar sua experiência, pois são mais amigáveis ​​e minimizam custos. Também são essenciais, pois favorecem o fluxo de pacientes em unidades estratégicas de alto custo, evitando “filas e desabamentos”.

3. Que sequelas respiratórias você encontra em pacientes infectados com SARS-CoV-2?

Basicamente, estruturalmente vemos fibrose do tecido pulmonar, cicatrização anormal e sensação de dispneia de origem por vezes incerta.

Publicidade

4. Qual o acompanhamento que você faz para aqueles pacientes que ficaram muito tempo internados na UTI?

Existe um acompanhamento próximo das consultas pós-covid aos afetados, de caráter multidisciplinar e nas quais o nosso serviço naturalmente participa.

Publicidade

5. Então ainda são necessárias unidades especializadas nesta nova patologia?

Eles são necessários e continuam existindo. Muitos pacientes foram afetados. O tempo nos dirá quando isso pode ser interrompido, mas é muito cedo para dizer.

6. Acha que o SARS-CoV-2 continuará a ser um vírus comum nos próximos invernos e terá cada vez menos impacto a nível da saúde?

Eu acho que sim e realmente espero que sim. Mas é cedo para se aventurar dada a sua elevada capacidade de mutação. No entanto, tudo indica que quer viver connosco e, por isso, cede na sua letalidade e avança no contágio. Está se adaptando às espécies e à biodiversidade viral atual em nosso planeta.

7. Além da Covid-19, quais outras infecções respiratórias estão causando mais problemas aos pacientes nos últimos meses?

A influenza e o vírus sincicial respiratório estão nos causando problemas, pois encontraram espaço nessa fauna viral. As pessoas não são expostas há três anos e agora as infecções são mais graves, prolongadas e associadas à pneumonia, pois a imunidade pulmonar local é reduzida devido a esses vírus.

8. A pandemia e o uso de máscaras tornaram as infecções respiratórias neste inverno as mais agressivas dos últimos anos?

Sim, penso que sim e estou convencido disso.

9. Entendo que estão planejando um novo projeto de internação na UTIN com o sobrenome “virtual”. Em que consiste exatamente?

Os pacientes respiratórios mais graves podem ir para casa mais cedo, pois saem com um suporte de telemonitoramento altamente avançado que permite controlar seus sinais vitais e parâmetros respiratórios. Além disso, eles são visitados em suas casas por pessoal especializado composto por médicos de nossa unidade de ventilação mecânica domiciliar. Eles têm um telefone de suporte 24 horas por dia, 7 dias por semana e, como têm guardas de UTIN, se houver algum problema, eles têm acesso direto ao hospital e à nossa unidade.

10. Que vantagens trará para pacientes e profissionais?

Para os pacientes implica segurança e estar em seu ambiente tranquilo antes. Isso não tem preço. Para o hospital, tudo é vantajoso, pois os leitos estão liberados e o circuito que a UCIR representa está permanentemente ativo e em movimento contínuo. Explicando melhor, para minha unidade isso significou poder atender toda a massa de pacientes respiratórios sem a necessidade de abrir mais leitos. E se a minha unidade funcionar 100%, o hospital “respira” melhor, pois drenamos os leitos de emergência, UTI e reanimação, o que significa poder reduzir as filas de espera cirúrgicas de média, alta e altíssima complexidade, garantindo a fluidez da porta de emergência, e que todos os doentes já internados, em caso de agravamento, tenham um local onde a sua segurança seja primordial, as estadias sejam encurtadas e os internamentos em estruturas de alto custo e baixa capacidade sejam desativados. Se há fluidez em um hospital, há vida. Este projeto de internação virtual é escalável, sustentável, eficaz e seguro. Estes devem ser os nomes de qualquer projeto que pretenda ficar e crescer. Por outro lado, esta iniciativa tem mais dimensões que vão ao encontro do conceito de “hospital líquido”, cujo objetivo é antecipar a mudança para a promover nas situações que se impõem, algo que tem sido especialmente útil durante a pandemia de Covid-19. , quando os novos hábitos e a normalização do atendimento telemático se tornaram especialmente evidentes. Na consolidação do ecossistema digital veremos como desaparece o até agora modelo reativo que analisava os dados a posteriori, e veremos como se implementa naturalmente um modelo preditivo onde o algoritmo será a base para preparar a organização antes que as mudanças aconteçam .

Você pode gostar...

Artigos populares...