O novo desafio da Inteligência Artificial: prevenir doenças degenerativas

Publicidade

A Inteligência Artificial (IA) já possibilita a criação de drogas na metade do tempo; detectar a covid antes mesmo que os próprios especialistas o façam, ou, já fora da área da saúde, substituir a voz de Darth Vader. Apesar de ainda nos parecer uma tecnologia algo distante, vivemos rodeados de IA e num futuro próximo a combinação de algoritmos proposta com o propósito de tornar as máquinas capazes de aprender permitirá detectar doenças antes que as próprias patologias apareçam os primeiros sintomas.

isso é precisamente o objetivo de A Capgemini, que lidera um consórcio público-privado, constituído por 15 entidades colaboradoras, todas espanholas, que nos próximos três anos vai desenhar e desenvolver uma solução inteligente que permitirá a deteção precoce e rápida ação em doenças neurológicas, motoras e degenerativas decorrentes do próprio envelhecimento.

Publicidade

O projeto, denominado “AI4HealthyAging” (Inteligência Artificial para um Envelhecimento Saudável), tem um orçamento de 12,5 milhões de euros, que será financiado pela União Europeia através de fundos Next Generation EU.

Mas em que exatamente ele consiste? Em “poder identificar doenças precocemente” para não só viver mais, mas com melhor qualidade de vida, como explica Fabiola Bermejo, diretora de Hybrid Intelligence, a área de Inteligência Artificial da Capgemini Engineering na Espanha e diretora de o referido projeto.

“O objetivo do projeto é alcançar uma visão holística e integrada do paciente que identifique padrões nas fases iniciais do envelhecimento que melhorem sua qualidade de vida e atenuem a gravidade das doenças, identificando-as nas fases iniciais”, explica a especialista especifica.

Publicidade

Um desafio crucial que pode ajudar a melhorar a eficácia dos tratamentos terapêuticos, que irão melhorar a qualidade de vida das pessoas afetadas. E não só. Essa detecção precoce também pode acabar tornando o sistema nacional de saúde mais sustentável. Um desafio. Assim, talvez este projeto tenha sido o que mais financiamento obteve.

Publicidade

Em concreto, pesquisadores vão analisar como o sono afeta o desenvolvimento de doenças neurodegenerativas (os comportamentos que se realizam durante a fase REM do sono podem alertar sobre determinadas patologias como Parkinson ou demência senil, por exemplo), perda auditiva e muscular, insuficiência cardíaca e derrame, doença mental, câncer de próstata e colorretal e Parkinson. Todas elas patologias que surgem durante o envelhecimento.

“A ideia do projeto é ver se conseguimos identificar diferentes padrões para diagnosticar precocemente essas doenças”, diz Bermejo.

Para isso, mais de 100 profissionais de saúde e tecnologia vão colaborar neste projeto em que, por exemplo, para analisar a perda de musculatura “os participantes serão equipados com sensores inteligentes em seus sapatos identificar anomalias no movimento”, detalha Bermejo.

“No caso de problemas de sono -continua-, o uso de IA será usado para detecção precoce e intervenção rápida de comprometimento cognitivo leve, demência e Alzheimer com base em medidas de atividade cerebral durante o sono”. Em suma, uma recolha de dados para encontrar biomarcadores que permitam ter padrões para cada patologia.

O número exato de pacientes que vão participar desta iniciativa, mas estamos falando de “vários milhares com mais de 50 anos”, diz Bermejo.

Um grupo notável, pois os pesquisadores vão analisar padrões para cada doença, mas com indivíduos diferentes. Ou seja, “o mesmo participante não pode participar do estudo de mais de uma patologia”, acrescenta.

O especialista destaca que “em nenhum caso é objetivo substituir o pessoal médico”, pelo contrário, o projeto procura “dotá-los das ferramentas que os ajudem” a detectar doenças precocemente, “dando-lhes as ferramentas de suporte necessárias para a tomada de decisões “.

E tudo isso com uma máxima: compartilhar imagens, dados e laudos médicos dos participantes, um tipo de informação que costuma ser muito sensível, garantindo a privacidade do paciente.

O consórcio, liderado pela Capgemini, é constituído por organizações e entidades representativas do setor industrial e da saúde, incluindo o Instituto Tecnológico de Aragão, o Instituto Cajal (dependente do CSIC), o Instituto Aragonês de Ciências da Saúde, o Instituto Aragon Health Instituto de Pesquisa, Universidade Politécnica da Catalunha, Universidade de Valência, Barcelona Supercomputing Center-National Supercomputing Center (BSC-CNS), Cruz Vermelha Espanhola, Fundação Andaluza de Pesquisa e Gestão do Conhecimento em Otorrinolaringologia, Bitbrain, Podoactiva, Technaid, Integra e Starlab.

Você pode gostar...

Artigos populares...